sexta-feira, 29 de abril de 2011

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Entrevista com Leonardo Boff (Eu Maior)


"O importante é saber
mas mais importante
é nunca perder
a capacidade de aprender."
Leonardo Boff

If (Rudyard Kipling)


If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you;
If you can trust yourself when all men doubt you,
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
Or, being lied about, don't deal in lies,
Or, being hated, don't give way to hating,
And yet don't look too good, nor talk too wise;

If you can dream - and not make dreams your master;
If you can think - and not make thoughts your aim;
If you can meet with triumph and disaster
And treat those two imposters just the same;
If you can bear to hear the truth you've spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to broken,
And stoop and build 'em up with wornout tools;

If you can make one heap of all your winnings
And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breath a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: "Hold on";

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with kings - nor lose the common touch;
If neither foes nor loving friends can hurt you;
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds' worth of distance run -
Yours is the Earth and everything that's in it,
And - which is more - you'll be a Man my son!

Se podes conservar o teu bom senso e a calma,
Num mundo a delirar, pra quem o louco és tu,
Se podes crer em ti com toda a força d'alma,
Quando ninguém te crê; Se vais, faminto e nu,
Trilhando sem revolta um rumo solitário,
Se à torva intolerância, se à mera incompreensão,
Tu podes responder, subindo o teu calvário,
Com lágrimas de Amor e bençãos de Perdão;

Se podes dizer bem de quem te calunia,
Se dás ternura em troca aos que te dão rancor,
Mas sem a afetação de um Santo que oficia,
Nem pretensões de Sábio a dar lições de amor;
Se podes esperar sem fatigar a Esperança,
Sonhar, mas conservar-te acima do teu Sonho,
Fazer do pensamento um Arco de Aliança,
Entre o clarão do Inferno e a luz do Sol rizonho;

Se podes encarar com indiferença igual,
O Triunfo e a Derrota - eternos impostores;
Se podes ver o Bem oculto em todo o Mal,
E resignar, sorrindo, o Amor dos teus Amores;
Se podes resistir à raiva ou à vergonha
De ver envenenar as frases que disseste
E que um velhaco emprega, eivadas de peçonha,
Com falsas intenções que tu jamais lhes deste;

Se és homem pra arriscar todos os teus haveres
Num lance corajoso, alheio ao resultado
E, calando em ti mesmo a mágoa de perderes,
Voltas a palmilhar todos o caminho andado;
Se podes ver por terra as obras que fizeste,
Banhadas por malsins, desorientando o povo,
E sem dizer palavra, e sem um termo agreste,
Voltares ao princípio a construir de novo;

Se podes obrigar o coração e os músculos,
A renovar um esforço hà muito vacilante,
Quando já no teu corpo, afogado em crepúsculos,
Só existe a Vontade a comandar "Avante!";
Se vivendo entre os Pobres, és Virtuoso e Nobre
Ou vivendo entre os Reis, conservas a Humildade;
Se amigo ou inimigo, o Poderoso e o Pobre
São iguais para ti, à luz da Eternidade;

Se quem recorre a ti encontra ajuda pronta,
Se podes empregar os sessenta segundos
Do minuto que passa, em obra de tal monta
Que o minuto se espraie em séculos fecundos;
Então, ó Ser Sublime, o mundo inteiro é teu!
Já dominaste os Reis, os Tempos, os Espaços,
Mas, 'inda para além, um novo sol rompeu
Abrindo um Infinito ao rumo dos teus passos;

Pairando numa esfera acima deste plano,
Sem recear jamais que os erros te retomem,
Quando já nada houver em ti que seja humano,
Alegra-te meu Filho, então... serás um HOMEM.
Félix Bermudes
Versão Portuguesa da autoria de Félix Bermudes,
do poema IF, de Rudyard Kipling

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Nicholas Winton, herói anónimo da Segunda Guerra


Sir Nicholas Winton (19 de maio de 1909) é um britânico que organizou o resgate de cerca de 669 crianças judias na antiga Tchecoslováquia, salvando-as da morte certa nos campos de concentração nazistas antes do início da Segunda Guerra Mundial.
fonte: Zimbórios

Faz tudo como se alguém te contemplasse (Epicuro)

Há poucos dias, deparei-me na rua com um cartaz de publicidade com a seguinte frase:
Faz tudo como se alguém te contemplasse.
Epicuro

Epicuro nasceu na Ilha de Samos, em 341 a.C., mas ainda muito jovem partiu para Téos, na costa da Ásia Menor. Quando criança estudou com o platonista Pânfilo por quatro anos e era considerado um dos melhores alunos. Certa vez ao ouvir a frase de Hesíodo, todas as coisas vieram do caos,ele perguntou:
e o caos veio de quê?

domingo, 3 de abril de 2011

Deveres das almas pequeníssimas

A Obra das Almas Pequeníssimas é a união de todas as pessoas que se propõem a seguir o caminho da infância espiritual, na observância dos três deveres (ver abaixo), cuja aceitação não significa ter que se afastar dos deveres próprios de seu estado e das devoções particulares.

A Obra não é uma associação com sede, estatutos, distintivos e diplomas, pois existe apenas no coração das pessoas.

A vida da infância espiritual não é novidade quanto à doutrina e não vem dos homens. É do Evangelho (Mt 18, 3-4 e 11,25-26; Mc 10,14-15).

A quem Jesus ensinou o Ato de Amor?
A Irmã Consolata Beltrone (1903 - 1946), religiosa capuchinha italiana, foi escolhida por Deus para confirmar ao mundo a doutrina do Caminho da Infância Espiritual já ensinada por Santa Teresinha do Menino Jesus, dando-lhe agora uma forma simples, concreta e fácil de ser praticada por todos, homens e mulheres, leigos e religiosos.

Deveres das Almas Pequenísimas:

(do Site do Rosário Permanente - visite-o!)

Ser alma pequeníssima e participar da Obra significa cumprir estes três deveres:

1. O Ato de Amor:
   "Jesus, Maria, eu Vos amo, salvai almas!",
   repetido incessantemente ou frequentemente,
   com o coração (não é necessário mover os lábios),
   no decorrer do dia, desde o despertar até o adormecer;
2. A Caridade com um sorriso,
   vendo e tratando Jesus em todos;
3. A aceitação da Vontade de Deus,
   com um "Obrigado, meu Jesus!"
fonte: http://rosariopermanente.leiame.net/devocoes/pequenissimas.html

+++

Estou a adorar a leitura do livro "Escadarias para o Céu" de Lorna Byrne. Na página 125 (Estrela Polar - 1ª Edição) parei na seguinte passagem:
..."Ali em baixo fazia frio, muito, muito frio, e era como se as suas mágoas percorressem o corredor até mim e me viessem atingir. Proferi a oração que os anjos me tinham ensinado: «Jesus, Maria, amo-Vos. Salvem as almas.»"

Lembrei-me de procurar esta oração na net, e encontrei, como podem ver em cima.
Abraço,
Manuel Filipe Santos.

sábado, 2 de abril de 2011

ECONOMIA - Demografia e Sustentabilidade

ECONOMIA - Demografia e Sustentabilidade
Riscos e desafios de hoje


DATA: 6 de Abril de 2011

LOCAL: Fundação Calouste Gulbenkian

HORA: 9.00 h às 13.00 h

 
 
Programa

09h00 Recepção e Café
09h20 Abertura - Doutor Luís Campos e Cunha (Universidade Nova de Lisboa)
09h30 Demografia , a verdadeira questão - Doutora Cristina Sousa Gomes e Doutora Maria Luís Rocha Pinto (Universidade de Aveiro)
10h00 Impactos da Demografia na Economia: conhecer a realidade, encontrar um caminho - Doutor João Duque (Instituto Superior de Economia e Gestão)
10h30 Pausa para café
11h00 Debate - Painel de convidados
   Moderador – Dr. Luis Ferreira Lopes (SIC – Editor Economia)
   “Segurança Social” - Doutor Fernando Ribeiro Mendes (Instituto Superior de Economia e Gestão)
   “Saúde” – Doutor Pedro Pita Barros (Universidade Nova de Lisboa)
   “Empregabilidade” - Doutora Rita Campos e Cunha (Universidade Nova de Lisboa)
12h30 Perguntas e Respostas
13h00 Encerramento da conferência – Doutor Luís Campos e Cunha (Universidade Nova de Lisboa)

Participe e inscreva-se já - Valor da Inscrição: 50€ + IVA

Telef. 21 755 26 03
Fax. 21 755 26 04
E-mail: secretaria@apfn.com.pt
fonte (mail recebido da APFN):
A APFN – Associação Portuguesa de Famílias Numerosas e o OJE Conferências vêm desafiá-lo a participar na conferência "ECONOMIA, Demografia e Sustentabilidade - Riscos e desafios de hoje" que vai realizar-se no dia 6 de Abril na Fundação Calouste Gulbenkian, às 09.00h, na Avenida de Berna 45-A, em Lisboa.

Há 28 anos que Portugal não efectua renovação das gerações, possuindo neste momento um défice de um milhão e 200 mil crianças e jovens. O impacto na nossa economia é grande, tornando urgente a adopção de medidas abrangentes.

Esta situação confronta hoje o País com uma nova realidade com consequências já visíveis ao nível do envelhecimento e desertificação, da sustentabilidade da segurança social, do consumo agregado da população, do mercado de emprego, no imobiliário, no desemprego de professores, encerramento de escolas e maternidades e na emergência de profundos desequilbrios sociais, com consequências imprevisveis se nada for feito para combater esta tendência.

Numa altura em que Portugal repensa o seu modelo económico e social, importa conhecer a amplitude deste problema e encontrar respostas e caminhos, para o solucionar.

Participe e venha debater este flagelo social e perceber o que pode ser feito para inverter esta tendência desde já.

Não me venhas falar de Amor

Não me venhas falar de Amor
quando ignoras e desprezas,
fingindo que não vês.

Podes até dizer que te defendes,
que foges para não sofrer
e evitas para esquecer
mas não me venhas falar de Amor.
Porque o Amor tudo supera,
tudo vence e ilumina.
E mesmo quando a maior escuridão
fechada insiste em resistir,
há sempre uma porta aberta
que um dia vais descobrir.
Então fala-me de Amor,
porque aí já vais sentir,
e então será possível
um mundo melhor construir.
O Amor tudo transforma:
O mau em bom se torna,
o triste em alegria se esvai,
o falso a verdade encontra
o cruel, derrotado, cai.
Por isso eu agora digo:
Fala-me de Amor, sim,
mas vive-o primeiro assim,
na dádiva gratuita e generosa,
na entrega genuína e sincera,
na compaixão amiga e verdadeira
de quem Ama pela vez primeira.
Manuel Filipe Santos
2011.04.02

sexta-feira, 1 de abril de 2011

O último folheto


Todos os domingos de manhã, depois do Grupo de Oração na Igreja, o coordenador do grupo e seu filho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos falando do Amor de Deus sobre nós.
Numa tarde de domingo, quando chegou à hora do pai e seu filho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito.
O menino se agasalhou e disse:
-'Ok, papai, estou pronto. '
E seu pai perguntou:
-'Pronto para quê?'
-'Pai, está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos. '
Seu pai respondeu:
-'Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito. '
O menino olhou para o pai surpreso e perguntou:
-'Mas, pai, as pessoas não vão para o trabalho até mesmo em dias de chuva?'

Seu pai respondeu:
-'Filho, eu não vou sair nesse frio. '
Triste, o menino perguntou:
-'Pai, eu posso ir? !'
O pai hesitou por um momento e disse:
-'Pode ir. Aqui estão os folhetos. Tome cuidado. '

Então ele saiu no meio daquela chuva..
Este menino de onze anos caminhou pelas ruas da cidade de porta em porta entregando folhetos a todos que via.
Depois de caminhar por horas na chuva, estava todo molhado, mas faltava um último folheto.
Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam desertas.

Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha.
Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu.
Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta.

Finalmente, o menino se virou para ir embora, mas algo o deteve.
Mais uma vez, ele tocou a campainha e bateu na porta bem forte.
Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda e finalmente a porta se abriu bem devagar.

Uma senhora idosa apareceu com um olhar triste.

Ela perguntou :
-'O que você deseja, meu filho?'

Com um sorriso que iluminou o mundo dela, O menino disse:
-'Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO
e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR. '


Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora.
Ela o chamou e disse:

-'Obrigada, meu filho!!! E que Deus te abençoe!!!'

Bem, no domingo seguinte na Igreja, o Coordenador do Grupo de Oração, após a sua pregação perguntou:
- 'Alguém tem um testemunho ou algo a dizer?'

Lentamente, na última fila da Igreja, uma senhora idosa se pôs de pé. E começou a falar.

- 'Ninguém me conhece neste Grupo, eu nunca estive aqui. Até o domingo passado eu não era cristã.
Meu marido faleceu a algum tempo e eu fiquei sozinha neste mundo.
No domingo passado, um dia frio e chuvoso, eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver.

Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi para o sótão da minha casa, amarrei a corda numa madeira do telhado, subi na cadeira e coloquei a corda em volta do meu pescoço. De pé naquela cadeira, só e de coração estava pronta pra saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou.
Eu pensei, quem será?:
-'Vou esperar um minuto e quem quer que seja irá embora. '

Eu esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa a bater forte.
E pensei:

-'Quem pode ser?
Ninguém toca a campainha da minha casa a tempos, ainda mais num dia desses.'

Afrouxei a corda do meu pescoço e fui à porta ver quem era, enquanto a campainha soava cada vez mais alta.

Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na minha varanda estava o menino mais radiante que já vi em minha vida.
O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês!
As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito SALTASSE PARA A VIDA quando ele disse:

-'Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO. '

Então ele me entregou este folheto que eu tenho em minhas mãos.

Conforme aquele menino desaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e li cada palavra deste folheto.

Então eu subi para o sótão, peguei minha corda e a cadeira.
Eu não iria precisar mais delas.
Vocês vêem - eu agora eu estou aquí!

Já que o endereço do seu Grupo de Oração estava no verso deste folheto, vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO a este menino de Deus que no momento certo livrou a minha alma. '

Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos no Grupo de Oração.
O coordenador do Grupo, foi em direção a primeira fila onde o 'seu' menino estava sentado.
Tomou seu filho nos braços e chorou.

Provavelmente nenhum Grupo de Oração teve um momento tão grande como este e provavelmente este universo nunca viu um pai tão transbordante de amor e honra por causa do seu filho...

Exceto um.
Este Pai também permitiu que o Seu Filho viesse a um mundo frio e tenebroso.
Ele recebeu o Seu Filho de volta com gozo indescritível, o Pai assentou o Seu Filho num trono acima de todo principado e lhe deu um nome que é acima de todo nome.

Não deixe que esta mensagem se perca, passe-a adiante.
+++

+++
Lembre-se:
Ela pode fazer a diferença na vida de alguém próximo a você.

JESUS TE AMA!

"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira, que deu o seu filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer, não pereça mas tenha a vida eterna".
João 3.16
fonte: mail recebido em 30 de Março de 2011
Obrigado Oliveira,
Filipe.

Esse Amigo Vale Ouro (Campanha)

Tu nasces sem pedir e morres sem querer...
Por isso, aproveita o intervalo SENDO FELIZ!!!
Tu VALES OURO!
Amigo é coisa para se guardar...

Um filho pergunta à mãe:
- Mãe, posso ir ao hospital ver o meu amigo? Ele está doente!
- Claro, mas o que tem ele?
O filho, com a cabeça baixa, diz:
- Tumor no cérebro.
A mãe, furiosa, diz:
-E tu queres ir lá para quê? Vê-lo morrer?
O filho insiste e vai...
Horas depois ele volta vermelho de tanto chorar, dizendo:
- Ai mãe, foi tão horrível, ele morreu na minha frente!
A mãe, com raiva:
- E agora?! Estás feliz?! Valeu a pena ter visto aquela cena?!
Uma última lágrima cai de seus olhos e, acompanhado de um sorriso, ele diz:
- Muito, pois cheguei a tempo de vê-lo sorrir e dizer:
'- EU TINHA A CERTEZA QUE TU VINHAS!'
Moral da história: A amizade não se resume só em horas boas, alegria e festa. Amigo é para todas as horas, boas ou ruins, tristes ou alegres.

CONSERVEM AS AMIZADES (CULTIVEM)!
PERDOEM AS DESAVENSAS QUANDO EXISTEM, SEJAM FELIZES AO LADO DELES PORQUE O VALOR QUE ELES TÊM NÃO TEM PREÇO...
fonte: mail recebido em 25 de Março de 2011
+++
Obrigado Paula,
Manuel Filipe Santos.