domingo, 22 de maio de 2011

Desculpe os seus rompantes


Não importa quem você seja- ou quão controlado você é- há momentos em que simplesmente nos ”perdemos”. Na maior parte das vezes, perder o controle não é problema algum. Você se aborrece e eleva a voz. Ou se sente vítima de alguma coisa ou acha que ninguém o valoriza. Você ergue as mãos para o alto em profundo desgosto. Fica tão estressado que pensa que vai ”pirar”. Pode resmungar ou esbravejar, ou pode dar socos ou atirar coisas. Mas, ao menos que você efetivamente se machuque ou machuque alguem, é importante esquecer seu rompante, admitir que é apenas humano, ir adiante e fazer votos para ser menos descontrolado dali em diante. É o melhor que pode fazer.
Problema pior do que o rompante em si, é a maneira como nos culpamos depois. Nós nos convencemos de que somos pessoas más, ou que nossa atuação é deplorável. Nós nos sentimos horríveis e ocupamos nossa mente com pensamentos negativos e de autocompaixão. Infelizmente essa conversa íntima culposa não desperta em nós nada positivo – e pode até nos incentivar a repetir precisamente o comportamento que tanto perturbou, justamente porque insistimos em manter nossa atenção focada nele.
Ao longo de minha carreira, conheci algumas pessoas extraordinárias, entre elas um bom número de terapeutas conhecidos mundialmente e autores cuja especialidade é fazer as pessoas se apaziguarem.
Alguns deles são de fato pessoas muito amorosas e pacíficas. Nenhum deles no entanto revelou-se imune a ocasionais rompantes de frustração. Todos são humanos e necessitam de perdão! Especialmente Você!
Tornar-se uma pessoa mais pacífica especialmente no ambiente domestico, e um processo, não uma meta. É muito comum ouvir pessoas dizerem: ” Aprendi a ser uma pessoa que reage menos e agora estou mais feliz do que antes, mas ainda perco a cabeça volta e meia”. Minha resposta é quase sempre: ” Parabens! Você está indo muito bem! ”.
Uma das chaves para se perdoar rapidamente é admitir que você se descontrolou, e que provavelmente vai fazê-lo muitas outras vezes. Que bom. A peça mais importante do quebra-cabeça é a que lhe diz que você está se movimentando na direção certa. Tão logo aprenda a perdoar seus rompantes, se tornará muito mais fácil oferecer a mesma complacência aos outros. Na minha casa, por exemplo eu até gosto quando aqui e ali uma das crianças ou Kris se descontrola, porque me dá a oportunidade de praticar a compaixão e me faz lembrar que estamos no mesmo barco. Eu sei como elas se sentem.
Minha aposta é que se você for mais complacente com relação aos seus próprios rompantes e aos dos outros, as depressões que sente e a tendência a fazer uma tempestade num copo de água em casa diminuirão substancialmente.
fonte:
Não Faça Uma Tempestade num Copo de Água
com a Família
(Richard Carlson 1961-2006)
+++

Nenhum comentário:

Postar um comentário