segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Está nas nossas mãos evitar a decadência

A decadência do homem contemporâneo resulta da ausência e negação de Deus e realiza-se silenciosamente, de modo subtil e, por isso, perigoso.

Gradualmente, o Homem, em vez de adorar a Deus, passa a adorar o dinheiro, o ter e o poder. Passa a sobrepor o interesse pessoal a tudo o resto, tornando-se cada vez mais violento. E assim se destrói a paz. E, ao destruir a paz, o Homem destrói-se a si mesmo.

É um terrível retrato, perante o qual nenhum de nós está imune, pois, mesmo que teoricamente nos afirmemos do lado de Deus, a Sua ausência no concreto da nossa vida é uma triste possibilidade. Como aqueles que dizem ter de uma religião, mas não praticam...

Está, pois, nas nossas mãos 
evitar a nossa própria decadência!

Bento XVI, Assis, 27 de Outubro de 2011
fonte: Zimbórios

Homenagem

- O autocarro deve estar quase a chegar…
Pensava Inês com os seus botões enquanto o seu olhar se perdia no alto da rua. Estava cansada, depois de mais um dia de trabalho, e o seu pensamento vagueava entre a fome que já sentia e as tarefas que a esperavam assim que chegasse a casa. Olhou para a direita e, como por um mágico encantamento, reparou na bela jovem que preenchia o cartaz publicitário no painel que se encontrava junto ao banco onde estava sentada. Era um anúncio publicitando um leite adaptado com “mais isoflavonas e cálcio”. O cartaz não tinha nada de extraordinário mas o rosto da rapariga parecia irradiar um brilho, alegria e felicidade que não se lembrava de contemplar. Era como se pertencesse a uma jovem de uma outra Era. Alguém que não pertencendo a estes tempos, tivesse sido contratado para fazer um qualquer anúncio vulgar. A beleza da jovem transmitia uma tão grande multiplicidade de sensações de tranquilidade, serenidade e paz que Inês se sentiu, por momentos, como que transportada para outro mundo. Um mundo de harmonia, onde tudo era calmo e sereno, um mundo diferente, banhado no mais profundo Amor. De repente, tudo parou. Não havia tempo nem espaço. Nos olhos daquela jovem, Inês encontrou uma porta para uma outra realidade. Uma porta para um lugar incrível que ela nunca tinha conhecido. Que fantástica viagem, que fabulosa experiência!...
Dois dias antes:
São 4 da manhã. O Pedro abre a mochila que transporta nas suas costas. A rua está vazia e é aquele o momento certo. Um pequeno canivete é suficiente para forçar a fechadura. Um pequeno toque para a esquerda, uma ligeira torção para a direita e está aberto. Perfeito. Retira a impressão da mochila e aplica a cola no verso. Agora chegou o último passo, a aplicação final sobre o cartaz. O rosto da sua avó, com apenas 16 anos, tratado em PhotoShop assentou que nem uma luva sobre aquele anúncio e a sobreposição ficou impecável - ninguém a detectará. Esta era a última homenagem do Pedro à sua avó que, antes de casar, queria ser modelo. Chegou a fazer uma sessão fotográfica, de que resultaram lindas fotos, guardadas num álbum que a sua mãe lhe entregou mas que nunca chegaram a ser publicadas. Depois do casamento vieram 4 filhos e o sonho ficou adiado…
Manuel Filipe Santos
31 de Outubro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Direito à indignação" e responsabilidade

O mundo está em sobressalto.
Um sobressalto indignado toma corpo
em muitos pontos do planeta, nossa casa comum.
Os povos estão a querer dizer: basta;
estão a aprender a dizer: basta.
A Tunísia inaugurou um movimento que,
como um tsunami, alastra pelo mundo fora.
Sonha-se com a Primavera
e compara-se o levantamento das gentes
a uma primavera humana.
Noutros quadrantes do mundo,
o clima que se vive é como um Inverno
gelado e depressivo,
provocado pelas nuvens ameaçadoras
de falência do sistema financeiro.
Os povos começam a perceber
que o colossal modelo económico
sobre o qual o mundo se foi organizando,
tem pés de argila
e desmorona-se como um baralho de cartas
arrastando tudo e todos com ele.
Pelo mundo fora
desperta a indignação das gentes
que não acreditam mais
neste modelo de desenvolvimento.
Afinal, o mundo dos humanos
é um mundo desumano,
onde para a grande maioria das pessoas
não é bom viver.

Dou graças, ó Deus, com admiração e respeito,
pela coragem e generosidade de tanta gente
que, pelo mundo fora, se une a outros,
toma a palavra,
procura fazer ouvir uma voz diferente.

Dou graças Senhor,
e peço-te que nos inspires indignação
com responsabilidade;

indignação com sentido do bem comum;
indignação com liberdade;
indignação com razão;
indignação com sabedoria.
Isabel Varanda
fonte: Oração da Manhã – 27 de Outubro (RR)

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Autenticidade (Oração da Manhã RR)

Todos nós achamos que são muitos os que apenas se comprazem nas práticas exteriores ou na estrita observância… que são imensos os que são reféns da aparência e dos formalismos, que apenas consolam do dever cumprido. E no entanto, todos passamos por aqui… todos comandamos e somos comandados por leis, preceitos ou preconceitos. Uns mais do que outros; uns mais libertos outros mais aprisionados; uns mais atentos outros mais distraídos… mas todos vamos a caminho… ninguém pode ousar dizer que já chegou à verdadeira gratuidade ou à mais autêntica autenticidade.

Sim, Senhor Jesus, vamos a caminho e contamos apenas com a força da Fé que nos arrebata o coração; com a certeza de uma esperança que nos afaste das falsas seguranças e dos sentimentos de posse; e com o teu amor como o único capaz de nos despojar de todos os egoísmos. Sustenta em nós, Senhor o espaço da doçura que sabe despojar o nosso amor de tudo o que nele há de interesse pessoal.
Ir. Luísa Maria Almendra
fonte: Rádio Renascença

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

São Pedro de Alcântara (Canção Nova)


"Aqueles que são de Cristo crucificaram a própria carne com os seus vícios e concupiscências" (Gal 5,24)

Esta Palavra do Senhor se aplica muito bem a São Pedro de Alcântara, o qual lembramos hoje, pois soube vencer o corpo do pecado através de muita oração e mortificações. Pedro nasceu em Alcântara, na Espanha, em 1499.

Menino simples, orante e de bom comportamento, estudou na universidade ainda novo, mas soube, igualmente, destacar-se no cultivo das virtudes cristãs, até que, obediente ao Mestre, o casto e caridoso jovem entrou para a Ordem de São Francisco, embora seu pai quisesse para ele o Direito. Pedro foi ordenado sacerdote e tornou-se modelo de perfeição monástica e ocupante de altos cargos, o qual administrou até chegar, com vinte anos, a superior do convento e, mais tarde, eleito provincial da Ordem.

Franciscano de espírito e convicção, era sempre de oração e jejum, poucas horas de sono, hábito surrado, grande pregador e companheiro das viagens. Como provincial, visitou todos os conventos da sua jurisdição, promovendo uma reforma de acordo com a regra primeira de São Francisco, da qual era testemunho vivo. Conhecido, sem desejar, em toda a Europa, foi conselheiro do imperador Carlos V e do rei João III, além de amigo dos santos e diretor espiritual de Santa Teresa de Ávila; esta, sobre ele, atestou depois da morte do santo: "Pedro viveu e morreu como um santo e, por sua intercessão, conseguiu muitas graças de Deus".

Considerado um dos grandes místicos espanhóis do séc. XVI e dos que levaram a austeridade até um grau sobre-humano, entrou no Céu com 63 anos, em 1562, após sofrer muito e receber os últimos Sinais do Amor (Sacramentos), que o preparou para um lindo encontro com Cristo.

São Pedro de Alcântara, rogai por nós!

10 signs of a spiritual awakening


Sign 1
Your sleep patterns change, you feel restless but seem to have more energy.
Get used to it and don't worry.
Your body will adjust in time.
Sign 2
Shivers, crawling sensations, tingles on your scalp.
Feeling pressure on the crown, like somenone is pushing down with a finger.
Flashes of great inspiration/creativity/thoughts.
Feeling vibration around the head and ears.
Don't worry. This is the opening of the crown chakra and divine energy flowing in.
Sign 3
Sudden waves of emotion. Feeling sad, lonely, happy, angry etc for no reason.
This is a release of blocked emotions and can come from the heart chakra.
Don't be hard on yourself. Acknowledge the feelings as they arise and let them go with love.
Sign 4
Old issues keep coming back and at times you feel very lost.
You're never lost. Face any old issues that arise and deal with them.
This is necessary and deeply cleansing
Sign 5
Your physical body can change. Your eating habits become more healthy.
Your whole body and mind is changing.
This will settle down as you deal with old issues.
Your vibration will rise as you surrender with unconditional love.
Sign 6
Your senses increase in their sensitivity. Your 6th sense opens up and you become much more aware of subtle energies.
You may begin to see sparkles of light, shadows, balls of energy, grids of light, movement from the corner of your eyes.
You may also hear your name being called, voices, humming in your ears, fleeting smells and become aware of 'someone' being close to you.
These are signs of spirit and your guides.
Never fear!
Remember that you are always in charge and set down firm rules. Always practice discernment when dealing with spirit.
Sign 7
You begin to see the world with new eyes.
You feel loving and at one with everything.
Keep in the flow!
Be compassionate and loving as best you can and don't be hard on yourself you're having a bad day.
Be gentle with yourself as your awareness expands.
Sign 8
You will desire more and more to break free of restrictive patterns and old habits that do not serve you anymore.
Have courage and do it!
Clear out the old to make room for the new.
Sign 9
You begin to notice more and more signs that speak directly to you on a very profound level.
They will have great meaning to you as your awareness blossoms.
Sign 10
Syncronicity floes faster.
These wonderful events flow when you are on the right path. Meetings, people, numbers, pictures… there are no limits to the 'coincidences' that come.
Try to feel the message behind them and trust your intuition.
And remember…
You are not alone!


















Love and Light
Source: http://www.godlikeproductions.com/forum1/message1029116/pg850

domingo, 16 de outubro de 2011

O pobre passarinho

O passarinho quereria voar para o Sol brilhante que lhe fascina o olhar; quereria imitar as Águias, suas irmãs, que vê elevarem-se até ao fogo divino da Santíssima Trindade... Pobre dele! tudo quanto pode fazer é agitar as suas pequenas asas; mas levantar voo, isso não está no seu pequeno poder! Que será dele? Morrerá de desgosto, ao ver-se impotente?... Oh, não! o passarinho nem sequer se vai afligir. Com um audacioso abandono, quer ficar a fixar o seu divino Sol. Nada seria capaz de o assustar, nem o vento nem a chuva; e se nuvens sombrias chegam a esconder o Astro do Amor, o passarinho não muda de lugar, pois sabe que para além das nuvens o seu Sol brilha sempre, e que o seu brilho não se poderia eclipsar nem por um instante sequer.

É verdade que às vezes o coração do passarinho se vê acometido pela tempestade; parece-lhe não acreditar que existe outra coisa, a não ser as nuvens que o envolvem. É então o momento da alegria perfeita para a pobre e débil criaturinha. Que felicidade para ela, permanecer ali, apesar de tudo, e fixar a luz invisível que se esconde à sua fé!!!...

Jesus, até agora compreendo o teu amor para com o passarinho pois ele não se afasta de Ti. Mas eu sei, e Tu também o sabes, muitas vezes a imperfeita criaturinha, ficando embora no seu lugar (isto é, sob os raios do Sol), deixa‑se distrair um pouco da sua única ocupação; apanha um grãozito à direita e à esquerda, corre atrás de um vermezito... Depois, encontrando uma pocita de água, molha as penas ainda mal formadas; quando vê uma flor que lhe agrada o seu espírito entretém-se com essa flor... Enfim! não podendo pairar como as Águias, o pobre passarinho entretém-se ainda com as bagatelas da terra. Não obstante, depois de todas as suas travessuras, em vez de se ir esconder num canto para chorar a sua miséria e morrer de arrependimento, o passarinho volta-se para o seu Bem‑amado Sol, expõe as asitas molhadas aos seus raios benfazejos, geme como a andorinha e, no seu doce cantar, confia, conta em pormenor as suas infidelidades, pensando, no seu temerário abandono, conseguir assim maior influência e atrair mais plenamente o amor d’Aquele que não veio chamar os justos mas os pecadores... Se o Astro Adorado continuar surdo ao chilrear plangente da sua criaturinha, se permanecer velado..., pois bem: a criaturinha continua molhada, aceita ficar transida de frio, e ainda se alegra com esse sofrimento que, aliás, mereceu...

Ó Jesus! como o teu passarinho está contente por ser débil e pequeno. Que seria dele se fosse grande?... Nunca teria a audácia de aparecer na tua presença, de dormitar diante de Ti... Sim, aí está mais uma fraqueza do passarinho: quando quer fixar o Divino Sol, e as nuvens o impedem de ver um único raio, contra sua vontade os seus olhitos fecham-se, a sua cabecinha esconde-se debaixo da asita, e a pobre criaturinha adormece, julgando fixar ainda o seu Astro Querido. Ao acordar, não fica desolado, o seu coraçãozinho fica em paz, e recomeça o seu ofício de amor. Invoca os Anjos e os Santos que se elevam como Águias em direcção ao Fogo devorador, objecto do seu desejo.

E as Águias, compadecendo-se do seu irmãozinho, protegem-no, defendem-no, e põem em fuga os abutres que o queriam devorar. Os abutres, imagem do demónio, o passarinho não os teme, pois não está destinado a ser presa deles, mas da Águia que contempla no centro do Sol do Amor.
Por tanto tempo quanto quiseres, ó meu Bem-amado, o teu passarinho ficará sem forças e sem asas; permanecerá sempre com os olhos fixos em Ti. Quer ser fascinado pelo teu divino olhar, quer tornar‑se a presa do teu Amor... Um dia, assim o espero, Águia adorada, virás buscar o teu passarinho e, subindo com ele para o Fogo do Amor, mergulhá‑lo‑ás eternamente no ardente Abismo desse Amor, ao qual se ofereceu como vítima...

Santa Teresa de Lisieux
(História de uma Alma, Ms B 5rº-vº)
fonte: Zimbórios

Profissão de Fé

Sou Católico.
Sou Católico porque assim fui baptizado
e hei de continuar a ser,
porque Amo "loucamente" Jesus.
Foi nEle que descobri o Amor
e também graças à Igreja.

Gostaria de um dia fazer o Crisma,
ou pelo menos Profissão de Fé,

mas a Igreja não mo permite.
Estou em "situação irregular"
por ser casado pelo civil
com uma mulher que foi
(e segundo a Igreja ainda é),
casada perante Deus.
Hoje já compreendo e aceito
mas tenho pena,
pois tenho saudades de comungar,
na hóstia, com Jesus.

Nunca Amei tanto a Jesus,

como hoje o Sinto
e sei que ainda posso
Amar mais. Não só a Ele
mas a toda a Criação.

Amo-O tanto

que até a minha …oca
tem ciúmes d'Ele.

Apesar desta "atitude" da Igreja,

que não consigo deixar de considerar 
como menos correcta
(acredito que um dia venha a ser corrigida),
amo-a também, do fundo do meu coração.

Apesar destas pequenas "falhas",

considero esta nossa Igreja,
como minha mãe querida,
imperfeita e limitada
mas sempre eterna e Gloriosa.

Devo, no entanto, dizer

que Amo mais as pessoas
do que as empresas, grupos ou religiões.
É por isso que digo, sem hesitar,
que Amo efectivamente mais um crente
de qualquer outra religião,
do que a, assim denominada,
Igreja Católica!

Ajuda-nos Senhor,

a construir um Mundo melhor,
mais amigo e solidário,
mais aberto e unido,
mais atento e compassivo.

Obrigado,

Senhor.
Manuel Filipe Santos
Oeiras, 16 de Outubro de 2011
Nota: Curiosamente tinha escrito uma carta relacionada com este tema, há quase 2 anos, e também num Domingo de manhã:
http://makeitabetterplaceforus.blogspot.com/2010/01/carta-aberta-jesus.html

Outra nota para registo futuro: Fiz a minha primeira comunhão antes de ir a um Cursilho de Cristandade (Nº 373 de 18 a 21 de Janeiro de 1989). Tinha então 23 anos mas confesso que não sei a data pois só encontrei Jesus no Cursilho.
 
De Colores!

Nonviolent Communication



Every criticism, judgment, diagnosis, and expression of anger
is the tragic expression of an unmet need.

Marshall Rosenberg created Nonviolent Communication and is Founder and Director of Educational Services for the Center for Nonviolent Communication, an international non-profit organization based in California.

+++

+++
Dr Rosenberg talks about Teilhard de Chardin's theories of human evolution which sought to return to a more natural way - one where no-one advances at the expense of another. He speaks of his own experiences working with Nonviolent Communication (NVC) and how enriching the lives of others is the most rewarding work mankind can engage in.




sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O miúdo do restaurante!

Assunto: O miúdo do restaurante ! (LINDO E MTO ACTUAL )

DURA REALIDADE!!!!!
----------------

A isto se chama egoísmo, olharmos para o nosso próprio umbigo... ou até uma simples ignorância de espirito, visto nunc atermos contactado directamente com realidades deste genêro.

Entrei apressado e com muita fome no restaurante. Escolhi uma mesa bem afastada do movimento, porque queria aproveitar os poucos minutos que dispunha naquele dia, para comer e acertar alguns bugs de programação num sistema que estava a desenvolver, além de planear a minha viagem de férias, coisa que há tempos que não sei o que são.

Pedi um filete de salmão com alcaparras em manteiga, uma salada e um sumo de laranja, afinal de contas fome é fome, mas regime é regime não é?

Abri o meu portátil e apanhei um susto com aquela voz baixinha atrás de mim:

- Senhor, não tem umas moedinhas?

- Não tenho, menino.

- Só uma moedinha para comprar um pão.

- Está bem, eu compro um.

Para variar, a minha caixa de entrada está cheia de e-mail.

Fico distraído a ver poesias, as formatações lindas, rindo com as piadas malucas.

Ah! Essa música leva-me até Londres e às boas lembranças de tempos áureos.

- Senhor, peça para colocar margarina e queijo.

Percebo nessa altura que o menino tinha ficado ali.

- Ok. Vou pedir, mas depois deixas-me trabalhar, estou muito ocupado, está bem?

Chega a minha refeição e com ela o meu mal-estar. Faço o pedido do menino, e o empregado pergunta-me se quero que mande o menino ir embora.

O peso na consciência, impedem-me de o dizer.

Digo que está tudo bem. Deixe-o ficar. Que traga o pão e, mais uma refeição decente para ele.

Então sentou-se à minha frente e perguntou:

- Senhor o que está fazer?

- Estou a ler uns e-mail.

- O que são e-mail?

- São mensagens electrónicas mandadas por pessoas via Internet (sabia que ele não ia entender nada, mas, a título de livrar-me de questionários desses):

- É como se fosse uma carta, só que via Internet.

- Senhor você tem Internet?

- Tenho sim, essencial no mundo de hoje.

- O que é Internet ?

- É um local no computador, onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar, trabalhar, aprender. Tem de tudo no mundo virtual.

- E o que é virtual?

Resolvo dar uma explicação simplificada, sabendo com certeza que ele pouco vai entender e deixar-me-ia almoçar, sem culpas.

- Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos tocar, apanhar, pegar... é lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer. Criamos as nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que fosse.

- Que bom isso. Gostei!

- Menino, entendeste o significado da palavra virtual?

- Sim, também vivo neste mundo virtual.

- Tens computador?! - Exclamo eu!!!

- Não, mas o meu mundo também é vivido dessa maneira...Virtual.

A minha mãe fica todo dia fora, chega muito tarde, quase não a vejo, enquanto eu fico a cuidar do meu irmão pequeno que vive a chorar de fome e eu dou-lhe água para ele pensar que é sopa, a minha irmã mais velha sai todo dia também, diz que vai vender o corpo, mas não entendo, porque ela volta sempre com o corpo, o meu pai está na cadeia há muito tempo, mas imagino sempre a nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos de natal e eu a estudar na escola para vir a ser um médico um dia.

Isto é virtual não é senhor???

Fechei o portátil, mas não fui a tempo de impedir que as lágrimas caíssem sobre o teclado.

Esperei que o menino acabasse de literalmente 'devorar' o prato dele, paguei, e dei-lhe o troco, que me retribuiu com um dos mais belos e sinceros sorrisos que já recebi na vida e com um 'Brigado senhor, você é muito simpático!'.

Ali, naquele instante, tive a maior prova do virtualismo insensato em que vivemos todos os dias, enquanto a realidade cruel nos rodeia de verdade e fazemos de conta que não percebemos!

Agora, tem duas escolhas...

1. Enviar esta mensagem aos amigos e amigas ou

2. Apagá-la, fingindo que não foste tocado por ela!!!

Como podes ver, escolhi a nº1.
fonte: desconhecida (mail recebido dia 27 de Setembro - obrigado Carla)
visite aldeagar

Gosta

Gosta das pessoas. Gosta de cada pessoa. Das suas almas. E se não gostares de alguém, se achares que esse alguém tem muitos defeitos, eu te desafio a encontrares as suas qualidades. Eu te desafio e a encontrares a alma dessa pessoa.

A percepcionares que atraíste essa alma e ela te atraiu a ti. O que, com certeza, não aconteceu por acaso. Seja o que for que vieram fazer à terra, vieram fazer juntas. É que aqui, havendo coisas a cumprir, é melhor fazê-lo com qualidade, com harmonia e com sinceridade.

Ama as almas das pessoas, e ajuda-as a desistir da resistência e a abrir caminho à aceitação. Conversem, como amigos, sobre os vossos pontos de vista e façam alianças pessoais em que ambos ganhem. Nas quais ambos se vejam a ganhar. 

Não há alma que não queira a harmonia. 
Não há alma que não queira o amor. 
Não há.

O LIVRO DA LUZ – Pergunte, O Céu Responde,
de Alexandra Solnado

fonte: SOL DE SIRIUS

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O Pão de Cristo

LÊ EM SILÊNCIO E MEDITA.
É MUITO CURTO E INSPIRADOR.
O que se segue é um relato verídico sobre um homem chamado Victor.
Depois de meses sem encontrar trabalho, viu-se forçado a recorrer à mendicidade para sobreviver, coisa que o entristecia e envergonhava muito.
Numa tarde fria de inverno, encontrava-se nas imediações de um restaurante de luxo quando viu chegar um casal.

Victor pediu-lhe algumas moedas para poder comprar algo para comer.


- Não tenho trocos - foi a resposta seca.


A mulher dele, ouvindo a resposta perguntou:


- Que queria o pobre homem?


- Dinheiro para comer. Disse que tinha fome - respondeu o marido encolhendo os ombros.


- Lourenço, não podemos entrar e comer comida farta de que não necessitamos e deixar um homem faminto aqui fora!


- Hoje em dia há um mendigo em cada esquina! Aposto que ele quer é dinheiro para beber!


- Tenho uns trocos comigo. Vou dar-lhe alguma coisa!


Mesmo de costas para eles, Victor ouviu tudo o que diziam. Envergonhado, queria afastar-se e fugindo dali, mas a voz amável voz da mulher reteve-o:


- Aqui tem qualquer coisa. Consiga algo de comer, ainda que a situação esteja difícil, não perca a esperança. Em algum lugar existe trabalho para si. Faço votos para que o encontre.


- Muito obrigado, minha senhora. A senhora ajuda-me a recobrar o ânimo! Nunca esquecerei a sua gentileza.


- Você vai comer o Pão de Cristo! Partilhe-o - acrescentou ela com um largo sorriso dirigido mais ao homem do que ao mendigo.


Victor sentiu como se uma descarga eléctrica lhe percorreu o corpo.


Foi a um lugar barato para comer um pouco. Gastou só metade do que tinha recebido e resolveu guardar o restante para o dia seguinte, comeria do 'Pão de Cristo' dois dias.


Mais uma vez mais sentiu aquela descarga eléctrica a percorrer-lhe o corpo: O PÃO DE CRISTO!


"Um momento! - pensou - Eu não posso guardar o 'Pão de Cristo' só para mim".


Na sua cabeça parecia-lhe como que escutar o eco de um velho hino que tinha aprendido na catequese. Neste momento, passava um velhote ao seu lado.


- Quem sabe, se este pobre homem também tem fome - pensou - Tenho de partilhar o 'Pão de Cristo'.


- Ouça - chamou Víctor - Quer entrar e comer uma comidinha quentinha?


O velho voltou-se e encarou-o de olhar incrédulo.


- Está a falar sério, amigo? O homem não acreditava em tanta sorte, até que se tivesse sentado à mesa coberta com uma toalha e com um belo prato de comida quente à frente.


Durante a refeição, Víctor reparou que o homem envolveu um pedaço de pão num guardanapo de papel.


- Está a guardar um pouco para amanhã? - Perguntou.


- Não, não. É que vi um miúdo da rua que conheço e que tem passado mal ultimamente, ele estava a chorar com fome quando o deixei. Vou levar-lhe este pão.


- O Pão de Cristo! - Recordou novamente as palavras da senhora e teve a estranha sensação de que havia um terceiro convidado sentado naquela mesa.


Ao longe os sinos da igreja pareciam entoar o velho hino que antes tinha ressoado na sua cabeça.


Os dois homens foram levar o pão ao menino faminto que o começou a devorar com alegria. Subitamente, deteve-se e chamou um cãozinho, um cachorrinho pequeno e assustado.


- Toma lá. Metade é para ti - disse o menino. O Pão de Cristo também chegará para ti.


O catraio tinha mudado de semblante. Pôs-se de pé e começou a correr com alegria.


- Até logo! - disse Vitor ao velho - Em algum lugar encontrará um emprego. Não desespere! Sabe? - susurrou - Isto que comemos é o Pão de Cristo. Foi uma senhora que me disse quando me deu aquelas moedas para o comprar. O futuro só nos poderá trazer algo de muito bom!


Enquanto se afastava, Vitor reparou melhor no cachorrinho, que lhe farejava as pernas. Abaixou-se para o acariciar quando descobriu que ele tinha uma coleira onde estava gravado o nome e o endereço do dono.


Víctor pegou nele e caminhou um bom bocado até à casa dos donos do cão, e bateu à porta.


Ao ver que o seu cãozinho tinha sido encontrado o homem primeiro ficou todo contente, depois tornou-se mais sério, pensando que se calhar o teriam roubado, mas encarando a cara séria de Victor e vendo no seu rosto um ar de dignidade, disse então:


- Pus um anúncio no jornal oferecendo uma recompensa a quem encontrasse o cão. Tome!


Victor olhou o dinheiro meio espantado e disse:


- Não posso aceitar. Eu apenas queria fazer bem ao animal.


- Pegue-lhe! Para mim, o que você fez vale muito mais que isto! E olhe, se precisar de emprego vá amanhã ao meu escritório. Faz-me falta, ao pé de mim, uma pessoa íntegra assim.


Victor, ao voltar pela avenida, como que volta a ouvir aquele velho hino que recordava a sua infância e que ressoava na alma. Chamava-se 'REPARTE O PÃO DA VIDA'.


NÃO VOS CANSEIS DE DAR,

MAS NÃO DÊS SOBRAS,

DAI-O COM O CORAÇÃO,

MESMO QUE DOA'.

QUE O SENHOR NOS CONCEDA A GRAÇA

DE TOMAR A NOSSA CRUZ E SEGUÍ-LO,
MESMO QUE DOA!

Bem, agora se o desejares, reparte com os teus amigos.

Ajuda-os a repartir e a reflectir. Eu já o fiz.

ESPERO QUE SIRVA para a tua VIDA...

QUE DEUS NOS BENDIGA SEMPRE...!!!

Jesus: Senhor, eu amo-te muito, e necessito de ti sempre, estás no mais profundo do meu coração, bendizei com o Teu carinho, a minha família, a minha casa, o meu emprego, os meus bens, os meus sonhos, os meus projectos e os meus amigos.

fonte: Mail de um amigo (obrigado AO)
visite: Silvio

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Para lá do espaço e do tempo (Richard Bach)

«Seriamos os mesmos 
se soubessemos o que nos espera 
para lá do espaço e do tempo?»

«E no meio do Aqui e Agora, 

não acha que podemos nos encontrar 
de vez em quando?»

autoria: Richard Bach 


Encontrei este labrador ontem!!!

«Encontrei-o na estrada entre 
a rotunda dos condes de Barcelona e o golfe do Estoril.
É uma macho, tem uma coleira encarnada 
e tem a volta de 2 anos. 
Se souberem de alguem que tenha perdido digam-me! 
Ele ia sendo atropelado varias vezes, 
estava assustado por isso acho que fugiu de casa, 
estava bem tratado por isso não fugiu há muito tempo!»

Por: Teresinha Oliveira da Silva

I Have a Dream (Abba)


Eu tenho um sonho,
Uma canção para cantar
Que me ajuda a enfrentar
Qualquer coisa
Se você vê maravilhas
Em um conto de fadas
Você pode agarrar o futuro,
Mesmo se você falhar
Eu acredito em anjos
Algo bom em
Tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando souber que é a hora
Certa para mim
Eu vou cruzar a corrente
Eu tenho um sonho

Eu tenho um sonho,

Uma fantasia,
Que me ajuda atravessar a
Realidade
E o meu destino
Faz valer a pena,
Enquanto me empurra através da escuridão
Ainda mais uma milha
Eu acredito em anjos
Algo bom em
Tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando souber que é a hora
Certa para mim
Eu vou cruzar a corrente
Eu tenho um sonho
fonte: Letras Terra

Obrigado Emília!

A Sabedoria da Água

"Se alguém lhe fechar a porta,
não gaste energia com o confronto,
procure as janelas.

Lembre-se da sabedoria da água:

a água nunca discute com seus obstáculos,
contorna-os."

Querido Deus,

a pessoa que está a ler isto, é bonita,
forte e eu adoro-a.
Ajude-a a viver a vida dela ao máximo.
Por favor, promova-a
e faça-a superar todas as expectativas.
Ajude-a a brilhar nos lugares mais obscuros
onde é impossível amar.
Proteja-a o tempo todo
e erga-a quando ela mais precisar de ti,
fazendo-a saber que caminhando contigo,
Ela estará sempre segura.
fonte anónima
visite: http://fasmon.wordpress.com/2008/07/09/a-sabedoria-da-agua/
visite: http://meme.yahoo.com/danilinha/p/thhyy6_/?.mo=1
Nota: Obrigado Ana por este lindo texto que me enviaste e que aqui partilho.

O ponto negro

Certo dia, um professor entrou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova relâmpago.
Todos se sentiram assustados com o teste que viria.
O professor entregou então, a folha com a prova virada para baixo, como era de costume...
Quando puderam ver, para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro no meio da folha.
O professor analisando a expressão surpresa de todos, disse: - Agora vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.
Todos os alunos, confusos, começaram a difícil tarefa.
Terminado o tempo, o professorrecolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.
Após ler todas, a sala em silencio, ele disse:
- Esse teste não será para nota, apenas serve de aprendizado para todos nós.
Ninguém falou sobre a folha em branco.
Todos centralizaram suas atenções no ponto negro.
Assim acontece em nossas vidas.
Temos uma folha em branco inteira para observar, aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros.

A vida é um presente de DEUS dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado.
Temos motivos pra comemorar sempre.
A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá sustento, os milagres que diariamente presenciamos.
No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro.
O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um familiar, a decepção com um amigo.
Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.
Tire os olhos dos pontos negros da sua vida.
Aproveite cada benção, cada momento que Deus lhe dá.
Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.
Tenha essa certeza, tranquilize-se e seja feliz!!!
fonte: A Chama Violeta
Nota: Obrigado Ana, pelo mail que me enviaste com esta bonita história que aqui partilho.