segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Homenagem

- O autocarro deve estar quase a chegar…
Pensava Inês com os seus botões enquanto o seu olhar se perdia no alto da rua. Estava cansada, depois de mais um dia de trabalho, e o seu pensamento vagueava entre a fome que já sentia e as tarefas que a esperavam assim que chegasse a casa. Olhou para a direita e, como por um mágico encantamento, reparou na bela jovem que preenchia o cartaz publicitário no painel que se encontrava junto ao banco onde estava sentada. Era um anúncio publicitando um leite adaptado com “mais isoflavonas e cálcio”. O cartaz não tinha nada de extraordinário mas o rosto da rapariga parecia irradiar um brilho, alegria e felicidade que não se lembrava de contemplar. Era como se pertencesse a uma jovem de uma outra Era. Alguém que não pertencendo a estes tempos, tivesse sido contratado para fazer um qualquer anúncio vulgar. A beleza da jovem transmitia uma tão grande multiplicidade de sensações de tranquilidade, serenidade e paz que Inês se sentiu, por momentos, como que transportada para outro mundo. Um mundo de harmonia, onde tudo era calmo e sereno, um mundo diferente, banhado no mais profundo Amor. De repente, tudo parou. Não havia tempo nem espaço. Nos olhos daquela jovem, Inês encontrou uma porta para uma outra realidade. Uma porta para um lugar incrível que ela nunca tinha conhecido. Que fantástica viagem, que fabulosa experiência!...
Dois dias antes:
São 4 da manhã. O Pedro abre a mochila que transporta nas suas costas. A rua está vazia e é aquele o momento certo. Um pequeno canivete é suficiente para forçar a fechadura. Um pequeno toque para a esquerda, uma ligeira torção para a direita e está aberto. Perfeito. Retira a impressão da mochila e aplica a cola no verso. Agora chegou o último passo, a aplicação final sobre o cartaz. O rosto da sua avó, com apenas 16 anos, tratado em PhotoShop assentou que nem uma luva sobre aquele anúncio e a sobreposição ficou impecável - ninguém a detectará. Esta era a última homenagem do Pedro à sua avó que, antes de casar, queria ser modelo. Chegou a fazer uma sessão fotográfica, de que resultaram lindas fotos, guardadas num álbum que a sua mãe lhe entregou mas que nunca chegaram a ser publicadas. Depois do casamento vieram 4 filhos e o sonho ficou adiado…
Manuel Filipe Santos
31 de Outubro de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário