sábado, 12 de novembro de 2011

Há dias cheios de noite (RR)

Hoje poderia ser um dia sem noite.
Dia para não passar à frente do outro.
Dia para dar espaço ao que se sente desconfortável.
Dia para não se armar “em chico esperto”.
Dia para não atirar a “beata” do cigarro para o chão
   e de não cuspir nos passeios.

Dia para não atirar a prata do chocolate,
   ou o recibo do supermercado para o chão
   ou pela janela do carro.

Dia para não sacudirmos os tapetes
   nas varandas dos vizinhos,
   não batermos a porta com força a altas horas
   ou abrirmos em toda a potência
   os amplificadores de som.

Dia para pegar no carro calmamente,
   sinalizar devidamente as nossas manobras
   e saudar os que cruzamos na estrada.

Dia para pensarmos que não somos donos de nada;
   que temos ao nosso dispor bens para usar
   e que não há bem privado
   que não comporte uma exigência pública e solidária.

Dia para perceber que não somos melhores
   do que ninguém,
   nem pelo que temos, nem pelo que parecemos.

Dia para arrumar de vez com a fantasia
   de que temos poder sobre os outros
   e que eles nos devem atenção, distinção, anuência.

Hoje poderia ser um dia sem noite;
um dia verdadeiramente dia.

Um bom dia.

Isabel Varanda
Oração da Manhã - 10 de Novembro


Nenhum comentário:

Postar um comentário