quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Howard Storm (NDE / "Experiência de Quase Morte")

Near Death Experience
Experiência de Quase Morte
Howard Storm (born October 26, 1946, in Flushing, New York) is a former atheist and art professor and chairman of the art department at Northern Kentucky University, best known as the author of the book "My Descent Into Death" about his near-death experience (NDE). According to Nancy Evans Bush, a near-death researcher specializing in "distressing" near-death experiences, Storm's NDE is the best known of contemporary distressing NDE accounts. Storm's account has been termed probably the most complete description among NDE accounts of evil spirits in another world. Storm's NDE has been cited frequently in near-death studies literature both before his book was published and afterward.
The book was originally published in 2000 and, after being noticed by author Anne Rice and supported by her, was acquired by Doubleday and re-published as a hardback book in 2005. Storm has told his story to numerous audiences and appeared on NBC's Today Show, The Oprah Winfrey Show, 48 Hours, Discovery Channel and Coast to Coast AM.
source: wikipedia

Eu era um velho professor universitário, de 38 anos ensinando arte. Eu tinha levado meus alunos, juntamente com a minha mulher por toda a Europa. Tínhamos feito apenas um tour de três semanas, e isso aconteceu logo depois do último dia. Enquanto estávamos em Paris, às 11:00 hs, eu tive uma perfuração no meu estômago. Quando isso aconteceu, foi a dor mais aguda que eu já experimentei na minha vida e apenas caí no chão. Então, eu estava me contorcendo, aos gritos, com gemidos, e gritos e pontapés pelo chão, e minha esposa chamou o serviço de emergência. Um médico veio e pegou uma ambulância, porque ele sabia o que havia de errado. A ambulância levou-me 8 milhas em toda a cidade para um hospital público. Eu estava então na sala de emergência e fui examinado por mais dois médicos, que sabiam exatamente o que havia de errado comigo. Então fui para a cirurgia.

Mas por não haver cirurgiões disponíveis, eu só poderia ficar ali e esperar. Então eu fiquei ali de oito a dez horas no hospital, sem medicação, sem exame, sem atenção como nunca antes, à espera de um cirurgião para vir e realizar uma cirurgia crítica.

Então eram 20:30 hs, e uma enfermeira veio e me disse que eles sentiam muito, mas não puderam chamar um médico para mim e que eles somente teriam um no dia seguinte. Quando ela disse isso, eu sabia que estava acabado para mim, eu sabia que estava morto. A única coisa que me mantinha vivo era o fato de não querer morrer. Eu sabia que era um ateu, um não-crente, uma pessoa que viveu para sua própria gratificação.

Junto à dor, morrer era a pior coisa que poderia acontecer para mim porque era o fim da vida, e não havia mais, nada mais. Mas quando ela me disse que o cirurgião não estava disponível até o próximo dia, a idéia de tentar existir por mais um minuto ou mais uma hora com aquela dor, não valia mais. Eu tinha me agarrado na esperança de que ficaria com um médico e faria a cirurgia, me abriria e corrigiria o problema. Mas, quando eles disseram que não poderiam obter um médico, eu disse à minha esposa que estava na hora de dizermos “adeus”, pois eu estava caminhando para a morte.


Então ela se levantou e colocou seus braços em volta de mim, ela me disse o quanto ela me amava e eu disse a ela o quanto a amava, era realmente triste. Nós fizemos o nosso bom “adeus”. Nós nos dissemos aquelas coisas que dizem as pessoas que viveram juntas por 20 anos. Ela finalmente sentou-se porque ela sabia que estava acabado, e eu sabia. Foi tão difícil vê-la chorar daquele jeito, então eu fechei os olhos e me deixei ir. E fiquei inconsciente. Eu estive inconsciente provavelmente por apenas um curto período de tempo, uns poucos minutos provavelmente.

Então, eu estava consciente de novo. Abri os olhos e olhei, e eu estava em pé ao lado de minha cama. Eu sabia exatamente onde eu estava, e que situação era aquela, não houve confusão na minha mente. Senti-me vivo, mais real como eu nunca me senti em minha vida. As pessoas me perguntam, "você era um fantasma?" Eu era apenas o contrário, eu era muito vivo.

Eu estava olhando ao redor do quarto, e notei que havia algo por baixo do cobertor sobre a cama, um corpo. Então eu me inclinei sobre a cama para olhar para o rosto e parecia comigo. Mas isso não era possível, eu estava vivo, eu estava ótimo, estava mais do que vivo. Então, eu tentei falar com minha esposa, mas ela não podia me ouvir ou ver-me. Eu pensei que ela me estava apenas ignorando. Então, eu fiquei muito bravo com ela, por me ignorar.

Então, eu comecei a gritar e gritar com ela, "Porque é que existe este corpo na cama que se parece comigo? Como é que ele chegou aí?” Eu tinha uma suspeita temerosa, de que o corpo tinha sido meu, mas isso era muito assustador de se pensar. Então, eu estava ficando muito agitado e chateado, porque tudo isto era muito estranho. Aquilo não podia estar acontecendo, era impossível, eu tinha um vestido de hospital e tudo era muito real.
Ouvi pessoas chamando-me para fora da sala, falando em voz suave, suave.

"Howard, você precisa vir conosco agora. Vem depressa, vem aqui".

Então fui para a porta da sala. Existiam pessoas fora, no corredor. O corredor era escuro, cinzento, sem luz, era só cinza. Todos estes homens e mulheres estavam vestidos de cinzento, o que poderia ser considerado uniformes hospitalares. Perguntei-lhes se eles eram enviados do médico para me levar para a sala de cirurgia. Disse-lhes tudo sobre a minha situação e como eu estava esperando. Eles continuaram dizendo, "Nós sabemos, nós sabemos, nós entendemos. Howard venha rapidamente, venha conosco, nós estávamos esperando por você. "Eu deixei o quarto que era muito claro e brilhante, e eu fui para o corredor que estava frio, húmido e nublado. Segui essas pessoas, tivemos uma longa viagem. Não há tempo, e quando faço uma referência ao tempo, é só uma ilusão, porque não houve tempo neste lugar. Mas esse lugar, se eu fosse recriá-lo, eu teria de andar a partir de Nashville para Louisville, 175 milhas (ou 281 km) para recriar a distância que andei com essas pessoas.

Enquanto andávamos elas ficaram em torno de mim, me mantinham andando, e foi ficando mais escuro e mais escuro. Eles estavam se tornando mais e mais abertamente hostis comigo. Na primeira vez, foram gentilmente doces para me levar com eles. Então, quando eu ia com eles, disseram coisas como, "rápido! Continue andando, cale a boca, pare de fazer perguntas". Ficaram mais feios.

Então entramos em completa escuridão e fiquei absolutamente aterrorizado. “Estas pessoas são completamente hostis e não sei onde estou”. Eu disse, "Não vou com vocês a qualquer outro lugar." Eles disseram, "Você está quase lá." Começamos a lutar, e eu estava tentando me afastar deles. Eles estavam empurrando e me puxando. Havia agora um monte deles. Inicialmente, tinha sido um punhado, agora com a escuridão poderiam ter sido cem ou mil, eu não sabia. Eles estavam jogando comigo. Eles poderiam ter me destruído se quisessem, mas eles não queriam. Eles queriam infligir dor em mim, porque a satisfação vinha da dor que eu experimentei. É realmente difícil para mim falar, e eu não vou te dizer muito sobre isso, eles ficaram muito feios. Inicialmente eles foram lacrimejando com suas unhas, coçando, rasgando, e mordendo. Eu estava tentando me defender sozinho, tentar combatê-los e sair de perto deles, mas era como estar em uma colméia de abelhas, havia centenas em cima de mim.

Logo eu estava deitado no chão, todo rasgado, com dor em todos os lugares, dentro e fora. Ainda mais difícil de suportar a dor física foi a dor emocional, com degradação. Eu nunca senti que era injusto ou errado.

Ouvi a minha voz, e não a voz de alguém ou a voz de Deus, foi a minha voz, mas eu não falei ela. Talvez fosse a minha consciência, eu não sei, mas eu ouvi-la dizer claramente, "Ore a Deus!" Então, eu pensei comigo mesmo, "Eu não acredito em Deus." Eu estava pensando, "mesmo se eu pudesse orar, eu não sei mais como orar."

Naquela época, eu não tinha orado por cerca de 23 anos. Quando eu era criança, nós fizemos orações na escola dominical e Igreja. Eu ficava tentando me lembrar delas. Para mim, a oração era apenas recitar algo que eu aprendi.

"O Senhor é meu Pastor, dá-nos neste dia nosso pão diário, o meu país é maravilhoso”. Espere, isso não é uma oração. “Sim, ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, por pontuação e sete anos atrás nossos antepassados”... Eu estou misturando tudo, não consigo lembrar de como orar.

Toda vez que eu mencionava Deus para essas pessoas que me machucavam, era como jogar água fervente sobre eles. Eles urravam, gritavam e gritavam. Eles utilizam as piores obscenidades que eu nunca tinha ouvido neste mundo. Eles não podiam suportar estar em torno de mim e ouvir falar de Deus. Era tão doloroso para eles ouvir sobre Deus, que se mantinham afastados. Então eu senti que poderia repeli-los por falar em Deus. Por isso, tentava lembrar orações, mas eu estava ficando confuso e misturava tudo.

Eventualmente, eu percebi que eles sumiram e eu estava sozinho. Fiquei sozinho lá por uma eternidade, o que quero dizer foi que eu não tinha nenhuma noção do tempo. Mas pensei em minha vida, eu ainda sobre o que eu tinha feito, e que eu não tinha feito. E pensei naquela situação que estava. A conclusão foi que EU tinha chegado até ali, toda a minha vida adulta tinha sido egoísta, e meu deus era eu mesmo. Eu percebi que havia algo terrivelmente errado com a minha vida, e que as pessoas que me atacaram foram o mesmo tipo de gente que eu era. Eles não eram monstros, nem demônios, pois eles eram pessoas que tinham perdido isso. O ponto de estar vivo neste mundo, tinham perdido ela (a vida), que tinham vivido uma vida de egoísmo e crueldade. E agora eu estava em um mundo onde não havia mais nada, nada, mas egoísmo e crueldade. Eles foram condenados a afligir a si mesmos e outros para sempre, sem fim. E agora eu fazia parte disso.

Embora eu não quisesse estar lá, aquele parecia o lugar certo para eu estar. Senti-me merecedor daquilo, porque esta era a forma como eu vivia. Você não pode imaginar como isso é emocionalmente doloroso. “Estou aqui por um período sem fim, pensando sobre o meu destino”. No fundo da minha mente surgiu uma imagem de mim como uma criança, sentada em uma classe de escola dominical, cantando “Jesus me ama”: "Jesus me ama, la la la, Jesus me ama, la la la." Eu podia ouvir-me como uma criança cantando-a. Mais importante do que qualquer outra coisa, foi que eu podia sentir em meu coração.

Houve um tempo em minha vida quando eu era jovem e inocente, e eu acreditava em algo bom, eu acreditava em algo além de mim mesmo. Eu acreditava em alguém que era totalmente bom, Todo Poderoso, que realmente, realmente se importava comigo, e eu queria isso de volta. Isso que eu tinha perdido, eu tinha jogado fora, me trai, eu queria isso de volta. Eu não conhecia Jesus, mas eu queria conhecer Jesus. Eu não conhecia o Seu amor, mas eu queria conhecer o Seu amor. Eu não saia se Ele era real, mas eu queria que Ele fosse real. Houve um tempo em minha vida onde eu acreditei em algo, e eu queria acreditar que era verdade.

Então, eu clamei na escuridão, "Jesus, por favor, salve-me!" E Ele veio. Primeiro, houve um pequeno espectro de luz nas trevas, rapidamente ficou mais brilhante. A luz tornou-se tão grande que no mundo físico teria me consumido. Teria me fritado como um salgadinho. Mas ela não era quente ou perigosa lá. Ele estava nessa luz, e Ele chegou suavemente e começou a me levantar.

Em Sua Luz Eu pude ver que eu estava todo ensanguentado, imundo e tinha ferimentos por todos os lados. Eu parecia um andarilho morto. Ele foi delicadamente colocando suas mãos debaixo mim e carinhosamente me amparando. Quando Ele foi tocando-me, todas as feridas, a dor, a sujeira apenas desapareciam. Simplesmente evaporavam, e eu estava completamente curado. E no interior, apenas preenchido com o Seu amor. Gostaria de poder explicá-la. É frustrante não ser capaz de informar as pessoas sobre isso, porque foi a melhor coisa que já aconteceu comigo na minha vida, foi tudo. Foi o TUDO da vida conhecer o amor, e eu não consigo explicar isso para você.

Então, Ele me abraçou acariciando minhas costas, como um pai com o seu filho, como uma mãe com a filha dela, apenas esfregando suavemente minhas costas. Fiquei como um bebê de felicidade, de estar perdido, e agora encontrado, sendo morto e agora trazido de volta à vida. Ele levou-me para fora de lá, e nós só voamos para fora.

Fomos caminhando por um mundo de luz, e eu comecei a ter pensamentos de tremenda vergonha. Eu tenho sido tão ruim, eu pensei de mim mesmo como sujeira, lixo e sujeira. Eu pensei comigo mesmo, "Ele cometeu um erro, eu não pertenço a esse lugar, Ele não vai me querer." Como Ele pode cuidar de mim? Por que eu? Eu sou mau.

Então parou, não estávamos no inferno, nem estávamos no céu, estávamos num lugar intermediário. Ele disse, "Nós não cometemos erros, você é daqui." Nós começamos a conversar e Ele estava me dizendo coisas.

Ele trouxe mais alguns anjos que estiveram comigo durante a minha vida do começo ao fim. Mostraram-me o que eu tinha feito certo e que eu tinha feito errado. E foi realmente simples. Quando eu tinha sido uma espécie de pessoa amorosa, compreensiva com outras pessoas, eu tinha feito os anjos felizes, e que fizera Jesus feliz, e eles deixaram-me saber que Deus ficou feliz. Quando eu tinha sido egoísta, e manipulador, isso fez os anjos tristes, entristeceu Jesus, e eles me avisaram que Deus se entristeceu. O que eles estavam tentando transmitir-me, em poucas palavras, era que o único objetivo da minha existência era amar Deus e amar o meu próximo como a mim mesmo. É por isso que eu tinha sido criado, é era por isso que eu estava neste mundo para fazer e para aprender. Mas eu falhei. Disseram-me que eu precisava voltar a este mundo, e eu fiquei muito chateado porque eu queria ir para o céu. O que me contaram sobre o Céu, é que era o mais divertido, mais interessante, e mais maravilhoso lugar para se estar. Todos gostariam de ir para o Céu, e eu gostaria de ir lá. Eles disseram que eu não estava pronto, que eu não era moldado, não era minha hora de ir para o céu. Era tempo de voltar a este mundo e tentar viver da maneira que Deus queria que eu vivesse, o modo como Ele me criou para viver.

Disse a Jesus e aos anjos que eu não poderia viver neste mundo sem eles. Eu disse que iria quebrar o meu coração se eles me mandassem de volta para este mundo. Eles estando lá, e eu ficando aqui. Disseram-me, "Você ainda não entendeu? Qual é o problema? Estamos mostrando-lhe tudo isto. Temos estado sempre lá. Estivemos com você todo esse tempo. E você nunca esteve sozinho lá embaixo."

Eu disse, "Vocês tem de me deixar saber que estão por perto de vez em quando." Então, eles disseram que se eu orasse e confessasse meus pecados a Deus, se entregasse o que eu tinha a Deus, todo o sentimento, minha preocupação, cuidados, esperanças e sonhos, apenas dar tudo a Deus, então haverá momentos em que eu saberia no meu coração que eles existem. Não necessariamente os veria, mas eu sentiria o amor que eu estava sentindo então. Perguntei-lhes se eles me garantiam que em certos momentos eu poderia reconhecer aquele Amor, então eu poderia viver neste mundo. Eles disseram que iriam fazer isso, então eles me enviaram de volta.
Após a experiência, a enfermeira que havia dito que não poderiam encontrar um médico, ela correu de volta para a sala e disse que um médico havia chegado. Num hospital, como este, isso é realmente muito milagroso, pois eram cerca de 21:00 hs,21:30hs. Ela disse que "o médico chegou no hospital e nós vamos fazer cirurgia em você agora mesmo." ... E algumas pessoas entraram no quarto e retiraram minha esposa para fora. E foi muito frustrante, pois eu estava tentando dizer-lhes que eu queria dizer a minha esposa o que tinha acontecido comigo. Então, quando eu passei por minha mulher na sala no caminho para a cirurgia, eu disse que tudo seria ótimo. E ela só começou a dizer que eu estava como um moribundo. O estranho nessa experiência, é que a memória não some, tudo é lembrado. É real, tensa e eu não sei, permanece tensa. Creio que uma das razões por que Deus me deu esta experiência é que eu teria a oportunidade de compartilhá-lo com alguém. Eu não sei quem e eu nunca saberei quem. Mas eu teria a oportunidade de compartilhar com outras pessoas e para elas poderia ser uma ajuda.
fonte: Semeadora777

Nenhum comentário:

Postar um comentário