sábado, 7 de julho de 2012

Padre Horácio Nogueira

Horácio Nogueira (António Horácio Alves Nogueira) nasceu em Góis (distrito de Coimbra - Portugal), a 16 de Julho de 1925.

Estudou nos Seminários de Alcains, Olivais (Lisboa), Évora e Gavião, vindo a receber a ordem sacra de Presbítero, em 25 de Dezembro de 1948, em Alcains, onde celebrou a Primeira Missa.

É também licenciado em Sociologia pela Pontífica Universidade Católica do Rio de Janeiro (1967-1971).

Foi professor no Seminário de Alcains (1946-1952 e 1954-1958) e na Escola Industrial Marquês de Pombal (1965-1967).


fonte: animus

Em 1958, partiu para Angola e em Malanje viveu grande parte da sua vida (até Dezembro de 2002), tendo sido Secretário do Bispo de Malanje e professor no Seminário-Colégio de S. José, no Colégio Veríssimo Sarmento e no Liceu Adriano Moreira. Foi ainda: capelão na Penitenciária da Damba; delegado diocesano do Ecumenismo; notário do Tribunal Eclesiástico; secretário e ecónomo da Diocese; capelão do Colégio de Nossa Senhora de Fátima, chanceler da Cúria, sob os Bispos Dom Manuel Nunes Gabriel, Dom Pompeu de Sá Leão e Seabra, Dom Eduardo André Muaca, Dom Alexandre do Nascimento, Dom Eugénio Salessu, Dom Luís Maria Pérez de Onraita.

No campo da escrita literária, teve vários prémios e publicou: Estrela da Planície - poemas (1955), Há Vida na Charneca - narrativas alentejanas (1ª edição, 1956; 2ª edição, 1957), Cabo Verde - poema (1960), Nova Rota - poemas (1959), A Vida Recomeça Hoje - novelas (1962), Natal em S. Tomé - conto (1ª edição - 1962, 2ª edição 2004), Bodas de Ouro - poesia e memória (1998).

Em preparação tem: Mundo que não mente - narrativas infantis e Na Terra do Meu Peregrinar.
fonte: Cabo Verde (poema)
+++
O Sr. Padre Horácio é uma pessoa excepcional e um grande poeta, com uma disponibilidade e alegria contagiantes. É difícil não sorrir quando estamos na sua presença. Como amostra do seu grande coração, partilho aqui um pequeno poema retirado do seu livro "Estrela da Planície" (pág. 66)

Meu Coração
Meu coração não é meu.
Vai longe o dia em que o dei!
Dei-o todo a quem mo deu...
E quem mo deu fê-lo seu,
Quando nas mãos lho deixei!

Dei-o todo - sei-o bem!
Ninguém mo venha pedir.
Ninguém pretenda, ninguém,
Vir dizer-me: «É só por bem...»
- Não o posso dividir.

O coração, pouco a pouco,
Perde o domínio, a vontade.
E à deriva, cego e mouco,
É como se fosse um louco
Que só pensa em liberdade.

Sei que dei meu coração.
Não é meu, pois, de direito!
- Mas, se ele está dado, eu não
Entendo por que razão
O sinto ainda no peito!

Meu coração não é meu.
Ninguém mo queira roubar!
Deus, que mo deu, fê-lo Seu...
Foi Ele quem o escolheu
E fui eu quem Lho foi dar!

Por isso, já não é meu.
Ninguém mo queira roubar!
Padre Horácio Nogueira

2 comentários:

  1. SAUDADES DO PADRE HORÁCIO!!!!! GRANDE E BOM AMIGO!!! Abraço Vinicius - Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
  2. ABRAÇO PADRE HORÁCIO
    90 ANOS!!!
    15-7-15
    VINICIUS E FAMÍLIA

    ResponderExcluir