domingo, 10 de março de 2013

As origens da separação

ACIM Capítulo 2

A Separação e a Expiação

I. As origens da separação
1. Estender-se é um aspecto fundamental de Deus, que Ele deu a Seu Filho. Na criação, Deus estendeu-Se às Suas criações e as imbuiu da mesma Vontade amorosa de criar. Tu não só foste plenamente criado, como foste criado perfeito. Não há nenhum vazio em ti. Devido à tua semelhança com o teu Criador, és criativo. Nenhuma criança de Deus pode perder essa capacidade porque é inerente ao que ela é, mas pode usá-la de maneira imprópria através da projeção. O uso impróprio da extensão, ou projeção, ocorre quando acreditas que existe em ti algum vazio ou alguma falta e que podes preenchê-lo com as tuas próprias idéias em vez da verdade. Esse processo envolve os seguintes passos:
Primeiro, acreditas que o que Deus criou pode ser mudado pela tua própria mente.
Segundo, acreditas que o que é perfeito pode ser tornado imperfeito ou falho.
Terceiro, acreditas que podes distorcer as criações de Deus, inclusive a ti mesmo.
Quarto, acreditas que podes criar a ti mesmo e que a direção da tua própria criação depende de ti.

2. Essas distorções interligadas representam um retrato do que de fato ocorreu na separação, ou seja, o “desvio para o medo”. Nada disso existia antes da separação nem, de facto, existe agora.
Tudo o que Deus criou é como Ele. A extensão, como foi empreendida por Deus, é similar à radiância interior que as crianças do Pai herdam Dele. Sua fonte real é interna. Isso é tão verdadeiro em relação ao Filho quanto em relação ao Pai. Nesse sentido, a criação inclui tanto a criação do Filho por Deus quanto as criações do Filho quando a sua mente está curada. Isso requer que Deus tenha dotado o Filho com livre arbítrio, porque toda a criação amorosa é dada livremente em uma linha contínua, na qual todos os aspectos são da mesma ordem.

3. O Jardim do Éden, ou a condição anterior à separação, era um estado da mente no qual nada era necessário. Quando Adão deu ouvidos às “mentiras da serpente”, tudo o que ouviu não era verdade. Não tens que continuar a acreditar no que não é verdadeiro, a não ser que escolhas fazê-lo. Tudo aquilo pode literalmente desaparecer num abrir e fechar de olhos porque é apenas uma percepção equivocada. O que é visto em sonhos parece ser muito real. No entanto, a Bíblia diz que um sono pesado caiu sobre Adão e não há, em parte alguma, referência ao seu despertar. O mundo ainda não experimentou nenhum despertar ou renascer em escala absoluta. Tal renascimento é impossível enquanto continuares a projetar ou criar equivocadamente. Contudo, a capacidade de estender assim como Deus estendeu a ti o Seu Espírito permanece ainda dentro de ti. Na realidade, essa é a tua única escolha porque o teu livre arbítrio te foi dado para a tua alegria em criar o que é perfeito.

4. Todo medo, em última instância, é passível de ser reduzido à básica percepção equivocada de que tens a capacidade de usurpar o poder de Deus. Obviamente, não podes, nem tens sido capaz de fazer isso. Aqui está a base real para escapares do medo. O escape é efetuado pela tua aceitação da Expiação, que faz com que sejas capaz de reconhecer que os teus erros realmente nunca ocorreram. Só depois que um profundo sono caiu sobre Adão, pôde ele vivenciar pesadelos. Se uma luz subitamente se acende enquanto alguém está sonhando um sonho amedrontador, ele pode inicialmente interpretar a própria luz como parte do seu sonho e ter medo. Todavia, quando acorda, a luz é percebida corretamente como a liberação do sonho, ao qual já não mais se confere realidade. Essa liberação não depende de ilusões. O conhecimento que ilumina não só te põe em liberdade, mas te mostra também claramente que tu és livre.

5. Quaisquer que sejam as mentiras em que possas acreditar, não concernem ao milagre, que pode curar qualquer uma com a mesma facilidade. Ele não faz distinções entre percepções equivocadas. A única coisa que concerne a ele é distinguir a verdade de um lado e do outro o erro. Alguns milagres podem aparentar maior magnitude que outros. Mas lembra-te do primeiro princípio deste curso: não há nenhuma ordem de dificuldades em milagres. Na realidade, tu és perfeitamente intocável por todas as expressões de falta de amor. Essas podem vir de ti e de outros, de ti para os outros e dos outros para ti. A paz é um atributo em ti. Não podes achá-la do lado de fora. A enfermidade é alguma forma de busca externa. A saúde é paz interior. Ela te permite permanecer imperturbado pela falta de amor externo e ser capaz, através da tua aceitação dos milagres, de corrigir as condições resultantes da falta de amor nos outros.
fonte: Um Curso em Milagres (Capítulo 2.1)


Nenhum comentário:

Postar um comentário