quarta-feira, 9 de março de 2016

Numa realidade paralela


Numa outra realidade paralela, a decorrer em simultâneo com aquela que hoje vivemos, poderíamos ainda viver juntos. O passado domingo, foi como se essas duas realidades se tivessem sobreposto. Como se por algumas horas, voltássemos a ser marido e mulher. Por alguns instantes, as duas realidades foram comuns. Nas duas realidades, fomos almoçar ao Chinês, visitámos os Real Bodies e tudo decorreu exactamente da mesma forma nesses dois mundos paralelos.


É muito engraçado porque tenho quase a certeza que nessa outra realidade nunca colocaria a possibilidade que agora coloco de uma outra poder existir. O que quero dizer é que nessa outra realidade, na qual ainda somos casados, tenho a certeza que não me passará pela cabeça que possa existir outra realidade na qual estamos divorciados, morando a cerca de 1 Km de distância um do outro. Mas isso é natural; na verdade, muitas vezes não valorizamos aquilo que temos e focamo-nos mais naquilo que gostaríamos de ter.

Hoje fazes 50 anos e há 20 anos atrás assumimos o compromisso de ficar juntos para o resto das nossas vidas. Nesta realidade, o projecto ficou a meio mas na outra continua. Mas quero dizer-te, falando a partir das duas realidades, que o ano de 1996 é um ano que nunca esquecerei. E não esquecerei esse ano porque tu és definitivamente um marco muito importante na minha vida. Não apenas por seres a mãe das nossas queridas filhas mas porque tens sido, desde que te conheci, uma referência muito importante: admiro muito a tua Verdade, o teu bom senso, a tua transparência, a tua alegria, a tua beleza, a tua entrega, a tua paixão, a tua perseverança; resumindo todo o teu Ser. Adoro o Ser lindo que És. Neste dia quero sobretudo agradecer-te por tudo aquilo que me deste nesta vida, tanto a partir desta realidade como a partir da outra.

É muito possível que na outra realidade não tenhas recebido uma carta de agradecimento tão simpática como esta que estás a receber agora mas, se de alguma forma existir uma ligação entre estes universos paralelos, pode ser que pelo menos umas boas vibrações cheguem à Xanoca da outra realidade; aquela que está casada com um Filipe que se calhar até é mais bem “sucedido” na vida mas que muito provavelmente não terá uma consciência tão certa daquilo que sente o seu coração.

Quero que saibas que sou feliz. Sou feliz nesta realidade e sou feliz na outra. Em ambas as realidades quero para ti o que há de melhor e peço que te mantenhas fiel à tua essência.

Termino com votos sinceros de um Feliz Aniversário com tudo que há de bom e, para a outra realidade, parabéns também pelos 20 anos de casamento.

Sempre teu,
Filipe.
Barcarena, 9 de Março de 2016.

2 comentários:

  1. Arte sobre a forma de palavras. Parabéns! Um texto magnífico, puro de sentimento e emoção! Para ler e reler e voltar a ler mais tarde. Uma lição para todos. Que sejas sempre Feliz em todas as realidades e que eu seja teu amigo em mais realidades além desta :) Abraço ER8

    ResponderExcluir