segunda-feira, 16 de julho de 2018

O Santíssimo Nome de Jesus



A minha mãe tinha este pequeno cartão na sua mesa de cabeceira que me chamou a atenção. No seu verso podia ler-se o seguinte:


Quando lhe perguntei pela origem do cartão referiu-me que já o tinha há uns tempos e que gostaria de ter o livrinho. Porque me despertou a curiosidade disse-lhe que o iría procurar na FNAC mas sabia que não seria fácil. Assim, fiz antes uma pequena pesquisa na Internet e encontrei. Deixo aqui o link para quem possa estar interessado. Contém muitos relatos que demonstram a grandeza do nome de Jesus.



domingo, 15 de julho de 2018

Vida


Vida

Sempre tive mais atritos com o meu pai do que gostaria mas hoje julgo que se deveram a ser mais parecido com que ele do que pensaria. Tudo aquilo que nele mais censurei estava presente em mim. A impulsividade, o distanciamento, a frieza, a rigidez, o rigor excessivo, o sorriso irónico, a infidelidade, a insensibilidade aparente, a indiferença e sobretudo a agressividade. A dor associada a estas impressões impediu-me muitas vezes de ver nele os atributos simétricos ou complementares que também nele sempre existiram; o seu outro lado. O lado da perseverança, da entrega, da paixão, da vontade, da disciplina, da alegria, da esperança, de todas as suas grandes virtudes como autêntico guerreiro. Só valorizei devidamente essas suas características durante a fase em que esteve doente e depois da sua partida.

Este lado “bom” do meu pai, apesar de sempre ter feito parte da sua essência, sempre foi para mim menos relevante do que os restantes "atributos" que lhe "atribui". Os atributos que para mim sempre foram mais importantes estavam com a minha mãe e foi sempre com ela que mais me identifiquei, pois sempre me considerei mais parecido com ela do que com o meu pai. O carinho, a atenção, a compaixão, a disponibilidade, a empatia, o sorriso genuíno, a sensibilidade e a generosidade.

Mas hoje sei que em todos nós podemos encontrar o preto e o branco, a luz e as trevas, o sim e o não. Cabe a cada um de nós, cabe-me a mim, decidir o que quero fazer em cada instante. Cabe-me a mim, em cada instante, dizer sim ou dizer não, sorrir ou fazer cara feia, ouvir ou gritar, ligar ou desligar, sentir ou fugir, amar ou destruir e essa decisão é “minha”. O caminho é construído com a riqueza da diversidade de cada um dos nossos contributos.

Mas só eu sou responsável por cada uma das decisões que tomo em cada instante da minha vida e a ninguém mais posso responsabilizar pelas consequências das mesmas. Essa é a beleza e a grandiosidade da Vida: Tenho a Liberdade para decidir em cada instante, com as respectivas condicionantes, o que quero fazer ou não. E mesmo que essa decisão não tenha aparentemente impacto no mundo exterior, tem sempre um enorme impacto na forma como eu vejo esse mesmo mundo, do qual eu sou, portanto, o primeiro obreiro e o maior beneficiário. Os pensamentos que eu planto neste meu mundo, vão exactamente dar origem aos frutos que irão ser colhidos, algures no futuro.

Se eu associo ao meu pai, ou a qualquer outra pessoa, uma imagem de agressividade, é inevitável que no meu relacionamento com essa pessoa, essa imagem surja permanentemente. Cabe-me, portanto, a mim, eliminar essas associações, sempre de acordo com a minha capacidade e sempre com o máximo bom senso.

A verdade é que se eu nada fizer, tudo seguirá, com grande probabilidade, o seu rumo mais natural. Se eu acredito que algo deve ser transformado, devo, portanto, construir essa mudança, partindo sobretudo de mim. Aplicando essa transformação em mim e sabendo que ela também ocorre no meu exterior, em quem me rodeia.

Resumindo e citando Neale Donald Walsch, se todos «compreendessem de uma vez por todas que “todos somos Um”» (*), então seria quebrada a maior das ilusões que é a da separação. Acredito, portanto, que a maior vitória na Vida consiste em, partindo dessa mesma consciência, transformar a minha Vida, dando-lhe um sentido, o sentido do Amor, o sentido da União, da Paz e do regresso a tudo aquilo que nos liga, que sempre nos ligou e sempre nos vai manter juntos.

Amén.

Manuel Filipe Santos
Oeiras, 15 de Julho de 2018.

(*) Juro por Deus (pág. 23) Neale Donald Walsch e Brad Blanton 1ª Edição de 2004 / ISBN 972-711-575-6


terça-feira, 3 de julho de 2018

Devagar se vai ao longe



Hoje deixei a minha mãe na praceta onde mora e, como não havia lugar para estacionar, preparei-me para ir procurar lugar noutro lugar pois precisava de lá ir buscar uma coisa mas não queria perder muito tempo. 

Reparei que a minha mãe conversava com uma senhora que eu não conhecia mas deduzi que moraria no nosso prédio. Por uns instantes questionei-me sobre que conversariam, enquanto olhava para as duas. Talvez falassem sobre o condomínio... Foi engraçado porque me recordo de ter hesitado, enquanto olhava para ambas, como que impelido a interromper a sua conversa movido pela curiosidade de saber o tema da conversação. No entanto, a pressa de estacionar levou-me a carregar no acelerador e estacionar no lugar mais próximo que encontrei: na praceta ao lado. 

Quando voltava para a casa da minha mãe reparei que agora havia um lugar vazio. Não me foi muito difícil de perceber que aquele lugar era do carro da senhora com quem a minha mãe falava.

Devido à minha pressa, não me permiti entender que aquela senhora estava prestes a sair, o que me teria poupado uns preciosos minutos de tempo, alguns mililitros de gasolina e algumas calorias ao meu já idoso corpo.

Um novo dia e uma nova lição: devagar se vai ao longe.

Oeiras, 3 de Julho de 2018
Manuel Filipe Santos

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Mensagem do dia da mãe em 2017 (facebook) ainda válida para 2018. Sempre válida. :)

Hoje sinto-me grato a todas as mães do mundo, particularmente à minha. A todas as mães de hoje, de ontem e amanhã. Sinto-me grato pelo Amor que trazem a este mundo, pelo Amor que nos ensinam e transmitem, pelo Amor que são, pelo Amor que vivem a cada dia, a cada minuto, a cada respiração em profunda ligação com as suas crianças.

Muito obrigado,
Manuel Filipe Santos.

Oeiras, 7 de Maio de 2017

Nota:
Como que colando à mensagem do ano passado, este ano enganei-me e no postal que demos ontem á minha mãe voltei a escrever que era dia 7 e não dia 6; só agora reparei. :)






domingo, 29 de abril de 2018

Não vou dizer nomes


Não vou dizer nomes porque quero compreender
mas ao longo da vida tenho conhecido muitas pessoas que por menos boas razões não me deixam adormecer.
São pessoas que facilmente me irritam, pessoas que me tiram do sério e facilmente me descontrolam. Não vou dizer nomes porque quero perdoar mas essas pessoas têm o condão de me tocar e muito facilmente incomodar. Como se o facto de as conhecer fosse um teste, um teste que não vou passar e por mais que tente sempre irei chumbar. Por mais que me esforce nunca irei conseguir provar que aquela atitude eu consigo engolir. Apesar de aquele comportamento eu conseguir identificar, sempre fico vítima de o querer modificar.
Não vou dizer nomes porque todos quero Amar. Na verdade, não vou dizer nomes porque os nomes são um só. É o nome que há em mim e que eu não perdoo. É o nome que há em mim e eu não aceito. É o nome que há em mim e ainda não Amo.
Ajudai-me Senhor a ser o meu nome em plenitude. Ajuda-me Senhor a Ser. Não apenas Manuel Filipe mas também todos os nomes. Aqueles de que gosto mas também todos os outros, mesmo aqueles que ainda não conheço mas sobretudo todos aqueles que me assustam, me provocam e atacam.
Que a todos eu aceite, que a todos eu integre e que a todos saiba Amar. Oeiras, 29 de Abril de 2018. Manuel Filipe Ferreira dos Santos.

sexta-feira, 9 de março de 2018

Do Cansaço à Liberdade por Pessoa


Cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimno, íssimo, íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa
fonte: Citador


Liberdade

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

fonte: Citador

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Boa noite Pai

Boa noite Pai,

Há cerca de um mês escrevi esta carta e hoje tu partiste.

Tens sempre um lugar no meu coração. 
Um lugar só para ti!

O teu Hippie.
Oeiras, 21 de Fevereiro de 2018.



Pai,


Quero dizer-te hoje, porque é hoje que quero que tu o saibas. Quero dizer-te hoje, porque é hoje que importa que o saibas: quero que saibas que admiro a tua força, a tua perseverança e a tua entrega. 

Esta é uma carta de reconhecimento, uma carta sem lamento e com grande gratidão à Vida.

Se estivesse no teu lugar não sei se conseguiria manter sequer os olhos abertos e não desistir. Seria tão mais fácil… Mas tu não desistes e a todos dás uma lição; uma lição de coragem. És um verdadeiro Guerreiro. Sempre um Guerreiro e sempre com um sorriso. Sempre com sentido de humor, rindo de ti próprio. Sempre encontras força para dizer uma palavra, como caipirinha, um nome próprio ou um até amanhã. Sempre encontras força para dar um sinal de entendimento; um piscar de olhos ou um leve movimento da cabeça.

Quero que saibas que te Amo.

E não te amo apenas por seres meu pai. Admiro-te ainda mais porque nesta fase difícil da tua vida me estás a dar a maior das lições: a lição da Perseverança.

Só posso agradecer a Deus os pais que me deu. A ti quero agradecer tudo o que me deste e ensinaste. Mesmo que muitas vezes tenha parecido que não ouvia, eu registei e mesmo que tenha parecido que ignorei, eu quase sempre aceitei e adoptei. Perdoa se nem sempre fui reconhecido e grato.

Hoje, também a Mãe nos dá a todos mais uma grande lição de Amor, na presença e entrega total a ti, estando a teu lado a cada minuto com o carinho e a dedicação que durante toda a sua vida, sempre te deu.

Sei que neste momento não consegues comunicar, por isso quero que guardes estas palavras com muito carinho. Quero que estas minhas palavras te levem Paz, Gratidão e muita Tranquilidade. Quero que sintas a Serenidade de um pai que sempre deu o melhor aos seus filhos e quero que saibas que, tanto eu como o Miguel, sabemos reconhecer isso e te estamos gratos do fundo do nosso coração.

Quero também que saibas que, tal como nós te amamos, em conjunto com todos os teus familiares e amigos ( e fica sabendo que tens muitos ), mais ainda te ama o Pai do Céu com um Amor infinitamente superior ao nosso.

Amo-te Pai!
O teu filho,
Manuel Filipe.

Oeiras, 23 de Janeiro de 2018.