domingo, 17 de março de 2013

Rastros de Deus

‎"Mamãe conta, quando morávamos na Barra, no sul de Minas, que tinha um gato que ela não gostava, mas também não deixava matar, ela nunca deixava judiar dos bichinhos. 
Falou com papai e mandou soltá-lo a 18 km de casa, na ponte Santo Antônio. 
Uns quinze dias depois, Dona Nazaré escuta: “Miau”. Esbodegado, magro, ferido. Como achou o caminho de casa? Aí mamãe começou a chorar: "Eu não gostava do gato e ele gostava de mim". Tratou do gato, fez até janta especial pra ele. 
Um gato, dentro do saco, amarrado e solto a 18 km, pois ele achou o caminho! Que senso de direção é esse? 
Assim como aquele gato que mamãe mandou soltar na ponte, nós somos esse gato que o encardido colocou dentro de um saco e levou para longe de Deus. Está ferido, come qualquer porcaria, por onde anda. Sabe por que você está ferido, machucado, desanimado? Você é gato ensacado que levaram para longe da casa do Pai. Oh gato "veio"! Volta! 
Mas se eu não achar os "Rastros de Deus" eu volto para onde"?"
Padre Léo
fonte: http://www.facebook.com/PadreLeoEterno


Nenhum comentário:

Postar um comentário