sábado, 21 de janeiro de 2023

Will humans survive?


 

Urgentemente

Eugénio de Andrade
(1923-2005)

 

Pare de se lamentar

A gente deixa a condição de vítima, para de se lamentar, de colocar a culpa das nossas decepções na outra pessoa, quando descobre que o único culpado fomos nós por termos apostado todas as nossas fichas numa imagem irreal, numa projeção criada pela nossa carência e o nosso excesso de expectativa em quem, nem de longe é o que a gente queria que fosse. 

~Edna Frigato

Edna Frigato


demasiadas coisas…

A nossa vida está carregada de coisas. Demasiadas coisas. 


Obstáculos que se veem e que não se veem, mas que nos fazem caminhar esmagados pelo seu peso. Com o passar do tempo urdimos em torno da vida uma teia quase invisível de pequenas prisões, de círculos sem saída que implodem a nossa liberdade, de ínfimas concessões aparentemente insignificantes, mas que, amontoadas, prendem por muito tempo as nossas asas com cruéis alfinetes. E damos por nós, por exemplo, hipotecados ao materialismo mais primário, com a única preocupação de fazer crescer o aprovisionamento do nosso celeiro. Ou reféns de um vazio crescente que nos dinamita por dentro. Não conseguimos já levantar voo. 


Queremos controlar os detalhes da vida, moldá-la à nossa ambição estreita, retê-la, como se isso estivesse na nossa mão. E, com isso, não enxergamos a lição fundamental: que a lei mais profunda da vida se acolhe no paradoxo do amor. Quando entrego a vida como dom é que ela se multiplica. Quando me abandono é que me encontro. Quando digo «a minha vida é tua» é que ela me pertence verdadeiramente. 


A vida será uma aventura fecunda se estivermos seguros desse amor. 


~José Tolentino Mendonça

'O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas'

José Tolentino Mendonça 


entrança o cabelo

“A minha avó dizia-me que quando uma mulher se sentisse triste, o melhor que podia fazer era entrançar o seu cabelo; de modo que a dor ficasse presa no cabelo e não pudesse atingir o resto do corpo. Havia que ter cuidado para que a tristeza não entrasse nos olhos, porque iria fazer com que chorassem, também não era bom deixar entrar a tristeza nos nossos lábios porque iria forçá-los a dizer coisas que não eram verdadeiras, que também não se metesse nas mãos porque se pode deixar tostar demais o café ou queimar a massa. Porque a tristeza gosta do sabor amargo.


Quando te sintas triste menina- dizia a minha avó- entrança o cabelo, prende a dor na madeixa e deixa escapar o cabelo solto quando o vento do norte sopre com força. O nosso cabelo é uma rede capaz de apanhar tudo, é forte como as raízes do cipreste e suave como a espuma do atole.


Que não te apanhe desprevenida a melancolia minha neta, ainda que tenhas o coração despedaçado ou os ossos frios com alguma ausência. Não deixes que a tristeza entre em ti com o teu cabelo solto, porque ela irá fluir em cascata através dos canais que a lua traçou no teu corpo. Trança a tua tristeza, dizia. Trança sempre a tua tristeza.


E na manhã ao acordar com o canto do pássaro, ele encontrará a tristeza pálida e desvanecida entre o trançar dos teus cabelos…”


_ Paola Klug


fonte: Me cative

Me cative


sexta-feira, 20 de janeiro de 2023

Sorry

O filme intitulado *"Sorry"* que dura apenas 1 minuto e 58 segundos, ganhou o *Oscar* de Melhor Curta-metragem. No entanto, a sua mensagem é Profunda, temos de aprender não só a ter o papel de um ser humano, mas a *«SER HUMANO»*. A palavra *"Overload»* que aparece no elevador significa: *"Acima DA CAPACIDADE "* (de carga), (sobrecarga), e em nós, as pessoas, representa: ATITUDE, COMPROMISSO, DEVER, CONTRIBUIÇÃO e EMPATIA. Ou seja, o elevador não se move, não sobe, pelo individualismo e pelo direito que cada um *acredita ter*. Algo que hoje nos reflete como sociedade. Alguém se acredita com mais direitos do que os outros e prejudica o grupo, fazendo com que a pessoa com mais sentido humano tenha que tomar uma decisão, sem que ninguém reaja ou diga nada. *«NÃO É SÓ O EGOÍSMO É A INACÇÃO DO GRUPO, O QUE MAIS SE DESTACA NESTE CURTA-METRAGEM»*. Faça-o chegar a quantos grupos puder.

fonte: WhatsApp Isabel Homem