quinta-feira, 18 de março de 2010

As consciências tranquilas

"Como é que se consegue uma consciência tranquila? São curtas as hipóteses: defeito de fabrico, limitações afectivas, uma vida de prática de meditação, vinte anos de psicoterapia."
Há um ror de gente que se afirma de consciência tranquila. Habitualmente, o comentário surge em contextos em que há uma qualquer suspeição grave sobre um dado sujeito. Este, depois de esgrimir dois ou três argumentos, conclui que tem "a consciência tranquila", como se isso significasse o cúmulo da inocência. Alguns, mais populares, vão mais longe e afirmam que podem "dormir tranquilos" porque têm "a consciência tranquila".
Esta ligação directa do bem dormir às consciências tranquilas deve ser muito agressiva para os muitos milhares, quiçá milhões, de maus dormidores. A acreditar nos números dos medicamentos vendidos para ajudar ao sono; às queixas dos conhecidos e amigos que falam de insónias sempre à espreita, de sonos cheios de pesadelos ou povoados de sonhos desconfortáveis e recorrentes; são muitos os que têm a consciência pesada, mesmo que não tenham cometido nenhum delito, não sintam a mais ténue culpa de qualquer maldade recente, nem consigam estabelecer alguma relação entre o seu mau dormir e os seus comportamentos vigis.
Há imensas razões para não se dormir e também há algumas razões para se ter a consciência tranquila. As consciências tranquilas são, entretanto, fenómenos muito mais interessantes do que as más noites de sono. Como é que se consegue uma consciência tranquila?
São curtas as hipóteses: defeito de fabrico, limitações afectivas, uma vida de prática de meditação, vinte anos de psicoterapia.
Fora disto, há sempre qualquer coisa que nos ocupa e preocupa, qualquer coisa que achávamos que deveríamos ter feito e não fizemos, dúvidas bem alicerçadas sobre decisões que tomámos ou temos de tomar. A maioria das pessoas irrita-se, zanga-se, alimenta raivinhas de estimação, desconfianças várias, medos sortidos. Por tudo isso, sofre duplamente. Sofre com os sentimentos que experimenta e sofre com a falta de controlo que tem sobre si mesma.
Para saber isto tudo, tem que ter consciência dos seus estados de espírito e não pode, por isso, afirmar, em rigor, que vive de consciência tranquila. Mesmo que seja um dito de senso comum, não há como ser de bom tom invocar a consciência tranquila.

por Isabel Leal (Professora de Psicologia Psicoterapeuta)
in http://aeiou.caras.pt/psicologia-as-consciencias-tranquilas=f27366
+++

Nenhum comentário:

Postar um comentário