sexta-feira, 19 de março de 2010

Divalproato de Sódio

...
O divalproato de sódio é um medicamento antiepiléptico que vem sendo usado freqüentemente nos transtornos do humor. Existem fortes evidências de eficácia em mania aguda e algumas evidências de eficácia profilática no transtorno afetivo bipolar. Pode ser uma droga útil no tratamento e profilaxia de episódios depressivos. Tem sido sugerido como primeira escolha para mania disfórica e estados mistos. Parece ter eficácia específica para ciclagem rápida. Doses orais de ataque podem ter eficácia rápida na mania aguda. A tolerância e segurança do divalproato estão bem estabelecidos no tratamento de pacientes epilépticos, e em estudos recentes os pacientes com transtornos do humor apresentaram reações similares aos pacientes epilépticos. O divalproato de sódio parece ser mais bem tolerado que o lítio. Os principais efeitos colaterais são do sistema gastrointestinal e neurológico, enquanto que reações adversas graves como pancreatite e hepatotoxicidade são extremamente raros, geralmente associados a politerapia. O divalproato é uma droga segura em superdosagem. O divalproato pode ser considerado um útil, seguro e bem tolerado tratamento do transtorno afetivo bipolar.
...

Superdosagem
O valproato pode ser considerado uma droga segura na superdosagem. Os casos de superdosagem raramente estão associados com evolução fatal (Balfour & Bryson, 1994). A manifestação clínica mais comum nestes casos é depressão do sistema nervoso central, desde sonolência até coma, sendo necessário suporte clínico intensivo, com especial cuidado para a manutenção da diurese adequada. Hemodiálise e hemoperfusão concomitante diminuem rapidamente os níveis séricos, melhorando as condições clínicas (Tank & Palmer, 1993). Administração de naloxone reverte a depressão do sistema nervoso central (Balfour & Bryson, 1994). O uso da formulação de liberação entérica pode postergar os efeitos tóxicos do valproato em várias horas, como foi descrito em um relato de caso (Brubacher et al., 1999).
...
Tratamento profilático do transtorno bipolar
Há poucos estudos avaliando a eficácia do divalproato de sódio no tratamento profilático do transtorno afetivo bipolar. Estudos abertos com limitações metodológicas apresentaram resultados promissores com o uso do divalproato de sódio, quando comparado com lítio (Puzynski & Klosiewicz, 1984; Bowden et al., 2000b). Em um estudo que avaliou casos de pacientes em tratamento com lítio que apresentaram prejuízos cognitivos e funcionais, além de perda de criatividade, a troca por divalproato de sódio mostrou-se útil (Stoll et al., 1996). O primeiro estudo controlado com placebo comparando divalproato de sódio e lítio no tratamento de manutenção mostrou que não havia diferenças entre placebo e os dois medicamentos quanto ao número de episódios maníacos. Entretanto, alguns parâmetros de eficácia e tolerabilidade como maior duração da profilaxia bem sucedida e menor deterioração de sintomas depressivos foram significativamente superiores com o divalproato de sódio. Quando comparado ao placebo, o divalproato de sódio apresentou menor taxa de descontinuação do tratamento na presença de episódio afetivo (Bowden et al., 2000a). Alguns aspectos metodológicos deste estudo foram questionados, entre eles o fato que em todos os grupos houve uma redução dos episódios de mania em relação à freqüência estimada inicialmente, o que diminuiria estatisticamente o poder do estudo, sendo sugerido mais estudos sobre o tema (Bowden et al., 2000b). Outro problema apontado neste estudo foi a escolha da amostra, que por conta do uso de placebo, acabou por apresentar possíveis vieses, como selecionar pacientes menos graves e que possivelmente teriam menor taxa de recorrência, ainda mais num período restrito de 12 meses, exemplificado pela inclusão de apenas 12% dos pacientes potenciais para o estudo (Baldessarini et al., 2000). Estes mesmos autores reafirmaram, entretanto, o valor da publicação do estudo em questão, por possibilitar a avaliação das dificuldades de se realizar um estudo sobre manutenção de longo prazo no transtorno afetivo bipolar, e a importância do uso de placebo como controle metodológico, indicando a necessidade de se discutir a validade e viabilidade de novas opções de estudos de longo prazo.
...
in http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol29/n1/42.html
...
+++

Sem comentários!!!...

Filipe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário