terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Porque as pessoas gritam?


Um dia, um pensador indiano, 
fez a seguinte pergunta a seus discípulos:

-Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?

-Gritamos porque perdemos a calma, 
disse um deles.

-Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça, 
retrucou outro discípulo.

E o Mestre volta a perguntar:

-Vocês sabem por que se grita com uma pessoa 
quando se está aborrecida?

-O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, 
seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância, 
precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente. 
Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar 
para ouvir um ao outro, através da grande distância.

-Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas 
estão enamoradas?
-Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê? 
Porque seus corações estão muito perto. 
A distância entre elas é pequena. 
Às vezes estão tão próximos seus corações, 
que nem falam, somente sussurram. 
E quando o amor é mais intenso, 
não necessitam sequer sussurrar, 
apenas se olham, e basta. 
Seus corações se entendem. 
É isso que acontece 
quando duas pessoas que se amam estão próximas.

Por fim, o pensador conclui dizendo:

-Quando vocês discutirem, 
não deixem que seus corações se afastem, 
não digam palavras que os distanciem mais, 
pois chegará um dia em que a distância será tanta 
que não mais encontrarão o caminho de volta.

Mahatma Gandhi
fonte: Recanto das Letras
+++
Aprendi através da experiência amarga 
a suprema lição: 
controlar minha ira 
e torná-la como o calor 
que é convertido em energia. 
Nossa ira controlada 
pode ser convertida numa força 
capaz de mover o mundo.
Mahatma Gandhi
fonte: Pensador

sábado, 2 de fevereiro de 2019

O livre arbítrio é a prova da nossa estupidez?

Jiddu Krishnamurti (1895-1986)
RL-"Tenho conversado com toda espécie de pessoas que já o ouviram", disse-lhe, "e procurei verificar se seus ensinamentos são tão convincentes para eles como o são para mim. Muitos julgam seus ensinos extremamente difíceis, e entristece-me ver como acham tão penoso entender algo que para mim é a própria simplicidade. Por que será que Deus o fez parecer tão complicado?" Suspirei, mas Krishnamurti apenas sorriu:
K-"Não foi Deus, mas nós mesmos. Parece complicado por causa de nosso poder de livre escolha."
  
RL-"Por causa da livre escolha?", interrompi espantado.
K-"Justamente; é apenas o livre arbítrio que cria conflito em nossa vida; e os conflitos são responsáveis pela deterioração. Pela livre escolha começamos a inventar dificuldades, complicações, das quais somos forçados a libertar-nos, uma por uma, para abrir o caminho para a verdade."


 
RL-"Devemos, então, desesperar-nos, segundo você, justamente porque nos foi dada a faculdade da livre escolha? Teria sido melhor se fôssemos como os animais, que seguem sua sorte negra e desconhecem o que significa o livre arbítrio?"

K-"Nada disso. Somente os espíritos sem inteligência exercem escolha na vida. Quando falo de inteligência, refiro-me a ela no seu mais vasto sentido; refiro-me àquela profunda inteligência interior da mente, da emoção e da vontade. Um homem verdadeiramente inteligente não pode ter escolha, porque sua mente só percebe o que é verdadeiro, só podendo, assim, escolher o caminho da verdade. A mente inteligente age e reage naturalmente, dando o máximo da sua capacidade. Identifica-se espontaneamente com a coisa certa. Ela não pode absolutamente ter qualquer escolha. Apenas o homem não inteligente é que exerce o livre arbítrio."

(Entrevista concedida por Krishnamurti ao escritor inglês Rom Landau, na cidade de Carmel, Estados Unidos - 1934)


via
Jauper Melga





quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

O Poder do Sentimento

O Inferno Somos Nós ( Crer ou não Crer )

Eu não sei quem te perdeu



Quando veio,

Mostrou-me as mãos vazias,
As mãos como os meus dias,
Tão leves e banais.
E pediu-me
Que lhe levasse o medo,
Eu disse-lhe um segredo:
"Não partas nunca mais".

E dançou,
Rodou no chão molhado,
Num beijo apertado
De barco contra o cais.

E uma asa voa
A cada beijo teu,
Esta noite
Sou dono do céu,
E eu não sei quem te perdeu.

Abraçou-me
Como se abraça o tempo,
A vida num momento
Em gestos nunca iguais.
E parou,
Cantou contra o meu peito,
Num beijo imperfeito
Roubado nos umbrais.

E partiu,
Sem me dizer o nome,
Levando-me o perfume
De tantas noites mais.

E uma asa voa
A cada beijo teu,
Esta noite
Sou dono do céu,
E eu não sei quem te perdeu.

fonte: vagalume

Melhor de Mim

Amor + Love


terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Tony Robbins

Grato a todas as "etiquetas"...

Anas (filhas)


:)

AC, 

ACIM, 
AM, 
Anthony Robbins, 
DN, 
ER8, 
FR, 
Gilberto Firme, 
JC, 
JG, 
Mãe, 
Mano, 
MEP, 
MFP, 
MR, 
Tony Robbins, 
UCEM
e
XE.

Mano,
Oeiras, 29 de Janeiro de 2019.